Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 24 de Outubro de 2017

  • 12/08/2017
  • 10:34
  • Atualização: 19:45

Dois filmes abordam a paternidade nos cinemas de Porto Alegre

"Saint Amour - Na Rota do Vinho" e "Tour de France" são estrelados por Gérard Depardieu

Na comédia dramática ‘Tour de France’, Gérard Depardiau interpreta um senhor que viaja por paisagens francesas ao lado de um rapper de origem árabe | Foto: Bonfilm / Divulgação / CP

Na comédia dramática ‘Tour de France’, Gérard Depardiau interpreta um senhor que viaja por paisagens francesas ao lado de um rapper de origem árabe | Foto: Bonfilm / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Neste Dia dos Pais, os cinemas de Porto Alegre contam com dois filmes franceses protagonizados por Gérard Depardieu e que abordam a questão da paternidade. Em um deles, o ator vive um pai que tenta ajudar o filho. No outro, sua figura senhoril se torna amiga de um rapper.

Em “Saint Amour - Na Rota do Vinho”, dirigido por Benoît Delépine e Gustave Kervern, Depardieu interpreta Jean. Odiado pelo filho Bruno (Benoît Poelvoorde) e triste por vê-lo entregue ao alcoolismo e ao desânimo, Jean aproveita o tempo livre durante uma feira de negócios agrícolas em Paris para fazer com o herdeiro uma turnê pela região vinícola da França. Usando o taxista Mike (Vincent Lacoste) como motorista, os dois vivem uma intensa jornada que rende discussões, revelações e a sonhada aproximação.

“Tour de France”, de Rachid Djaïdani, fala sobre respeito às diferenças. Far’Hook (Sadek) é um rapper de 20 anos que é forçado a deixar Paris após se meter em problemas. Seu produtor recomenda que o artista passe um tempo com seu pai, Serge (Depardieu). Este senhor decide fazer uma viagem em que irá refazer os passos do famoso pintor francês Joseph Vernet e pintar quadros pelas paisagens inspiradoras. O rapper se junta a Serge e a jornada dos dois criará uma amizade improvável entre dois homens extremamente distintos. A crítica especializada tem interpretado essa história como uma metáfora sobre a França atual: o homem branco entediado e o jovem de origem árabe precisam aprender a conviver em um país multicultural.