Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 21 de Outubro de 2017

  • 02/10/2017
  • 17:15
  • Atualização: 17:37

Lenda do rock, Tom Petty morre aos 66 anos, diz TV

Músico estava internado desde a noite de domingo, quando sofreu ataque cardíaco

Músico tinha 66 anos | Foto: Jerod Harris / Arquivos AFP / CP

Músico tinha 66 anos | Foto: Jerod Harris / Arquivos AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Um dos nomes mais importantes do rock mundial, Tom Petty morreu nesta segunda-feira aos 66 anos. Na noite de domingo, o artista, que ganhou notoriedade internacional ao lado dos Heartbreakers, foi levado às pressas ao Santa Monica UCLA Medical Center após sofrer ataque cardíaco e ter sido encontrado inconsciente e sem respirar, mas com pulso, em sua casa em Malibu, na Califórnia. No hospital, ele foi colocado sob aparelhos vitais, os quais foram desligados nesta tarde. As informações da morte foram confirmadas para rede televisiva norte-americana CBS pelo Departamento de Polícia de Los Angeles.

Nascido em 20 de outubro de 1950 em Gainesville, na Flórida, Petty desistiu do ensino médio aos 17 anos para se juntar a uma das melhores bandas do estado, Mudcrutch, com os futuros Heartbreakers Mike Campbell e Benmont Tench. Em 1975, eles se mudaram para Los Angeles, onde formaram a icônica Tom Petty e os Heartbreakers. No ano seguinte, ocorreu o lançamento do primeiro álbum, que marcou o início do que seria uma trajetória de décadas de sucesso. Na última metado do século 20, eles estiveram presentes no topo das paradas com músicas agora clássicas como "American Girl","Refugee", "Do not Come Around Here No More "e "Learning to Fly".

À medida que o tempo avançava, ficou claro que a banda não rompeu a tradição musical da época como seus contemporâneos do punk. Em vez disso, eles a celebraram, unindo as melhores características de bandas como The Who, Beatles e Rolling Stones com o rock de garagem dos Estados Unidos para criar um som híbrido distintamente americano. Em 1988, Petty tornou-se um membro do supergrupo Travelling Wilburys, que também contou com Bob Dylan, George Harrison, Roy Orbison e Jeff Lynne. No final do mesmo ano, eles lançaram seu primeiro disco, que se tornaria o modelo para o primeiro esforço solo do artista: "Full Moon Fever", de 1989.

No livro "Petty: The Biography", o autor Warren Zanes, que viajou e gravou com o músico como membro da banda de rock The Del Fuegos na década de 1980, conseguiu que o cantor, sua família e seus colegas se abrissem como nunca antes. Na obra, o músico revelou que fora abusado pelo pai na infância e comentou sobre seu histórico com as drogas. Petty foi viciado em heroína e disse que num primeiro momento ela ajudou a aliviar sua depressão e a ansiedade com os shows.

Desde de 2002, ele faz parte do Hall da Fama do Rock and Roll e em 2005 foi homenageado no Billboard Music Awards com o prêmio honorário como um dos "Artistas do Século". Em 22 de setembro deste ano, o artista havia encerrado uma turnê em comemoração aos 40 anos do grupo e havia marcado dois shows em Nova Iorque para o começo de novembro. Ele disse à revista "Rolling Stone" em dezembro de 2016 que esta seria provavelmente sua última grande turnê com os Heartbreakers. "É muito provável que continuemos tocando, mas fazer 50 shows em uma turnê? Acho que não", afirmou. Além de um extenso legado artístico, ele deixa duas filhas, Adria Petty e Kimberly Violette Petty, e a esposa Dana York, com quem era casado desde 2001.