Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

  • 02/05/2017
  • 21:19
  • Atualização: 12:47

Morre o ex-ministro Eduardo Portella, imortal da ABL

Escritor de 84 anos sofreu parada cardíaca no hospital

Escritor de 84 anos sofreu parada cardíaca no hospital | Foto: ABL / Divulgação CP

Escritor de 84 anos sofreu parada cardíaca no hospital | Foto: ABL / Divulgação CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

Morreu nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, o escritor, professor e ex-ministro da Educação Eduardo Portella, ocupante da Cadeira 27 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Portella, de 84 anos, teve uma parada cardíaca no Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul do Rio, onde havia sido internado no domingo. O escritor deixou a viúva Célia Portella e uma filha, Mariana.

O corpo será velado a partir das 19h no Salão dos Poetas Românticos, no Petit Trianon, sede da ABL, no centro do Rio. Nesta quarta, às 10h30min, será celebrada missa de corpo presente e, em seguida, o corpo será levado para o mausoléu da Academia, no Cemitério São João Batista, em Botafogo.

Baiano de Salvador, nascido em 8 de outubro de 1932, Eduardo Mattos Portella fez os estudos secundários no Recife, cidade onde se formou em direito pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1955. Ainda na capital pernambucana, começou a exercer a crítica literária, em colaborações para a imprensa local.

Ao longo da década de 1950, estudou filologia, crítica literária e literatura em instituições de Madri, Roma e Paris e publicou na Espanha seu primeiro livro, Aspectos de la poesía brasileña contemporánea. Começou a exercer o magistério na capital espanhola, na Faculdade de Letras da Universidade Central de Madri. De volta ao Brasil, foi professor da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Pernambuco, e mais tarde, já na capital fluminense, da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na qual conquistou todas as titulações até se tornar professor emérito.

Funcionário do Ministério da Educação e Cultura desde 1956, Eduardo Portella foi nomeado titular da pasta em 1979, no início do governo de João Figueiredo, o último presidente do regime militar. Permaneceu pouco mais de um ano à frente do ministério, do qual foi demitido por ter apoiado a greve dos professores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Na ocasião, ficou famoso pela frase “Não sou ministro. Estou ministro”, com a qual quis demonstrar a consciência da transitoriedade da sua passagem pelo ministério do governo militar. Recebeu o apoio de intelectuais que faziam oposição ao regime, como o escritor Alceu de Amoroso Lima.

Eduardo Portella ingressou na Academia Brasileira de Letras em 1981, sucedendo o escritor Otávio de Faria como ocupante da Cadeira 27, que teve como fundador Joaquim Nabuco. O presidente da ABL, Domício Proença Filho, decretou luto oficial de três dias na instituição e afirmou que, “com a ausência de Eduardo Portella, perde o Brasil um excepcional pensador da cultura, um professor e crítico de alta presença e porte, e a Casa de Machado de Assis, um acadêmico de forte liderança e marcada atuação”.

A escritora Nélida Piñon, secretária-geral da ABL, destacou que Portella “era um grande mestre do pensamento brasileiro, que soube, com rara perspicácia, interpretar o fenômeno literário”. Autor de mais de 20 obras de crítica literária e ensaios, Eduardo Portella fundou e dirigiu a editora Tempo Brasileiro, responsável pela introdução no Brasil de autores como os filósofos alemães Martin Heidegger e Jurgen Habermas, entre outros pensadores.