Porto Alegre

16ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de Julho de 2017

  • 23/06/2017
  • 19:11
  • Atualização: 19:17

Johnny Depp se desculpa por piada sobre assassinato de Trump

Ator fez comentário durante festival de Glastonbury

Johnny Depp se desculpa por piada sobre assassinato de Trump | Foto: Oli Scarff / AFP / CP

Johnny Depp se desculpa por piada sobre assassinato de Trump | Foto: Oli Scarff / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O ator Johnny Depp pediu desculpas ao presidente Donald Trump, nesta sexta-feira, depois de fazer piada sobre o assassinato do líder do governo americano, o que gerou reação irritada do público de um festival de música. O astro de "Piratas do Caribe" fez o comentário na noite dessa quinta-feira, durante o festival de Glastonbury, no sudoeste da Inglaterra. Depp disse ao público que fazia algum tempo que um ator não matava um presidente.

A piada recebeu resposta severa da Casa Branca, mas o ator disse que não tinha intenções maliciosas nas palavras "O presidente Trump condenou qualquer tipo de violência, mas está claro que pessoas como Johnny Depp não seguiram seu caminho", comentou a porta-voz de Trump, Sarah Huckabee Sanders.

"Eu espero que alguns do colegas de Depp falem algo contra esse tipo de retórica. Precisam ser tão intensos quanto foram os comentários direcionados para um oficial Democrata eleito", acrescentou. Em declaração para a revista de celebridades People, o ator de 54 anos pediu desculpas pelo incidente. Segundo Depp, as palavras "não soaram como o desejado". "Eu estava tentando divertir, não queria machucar ninguém", disse o astro.

Depp compareceu ao cinema drive-in em Glastonbury, apresentando o filme "The Libertine", estrelado por ele em 2004. Depp respondeu perguntas para um público de 1,5 mil pessoas. "Eu acho que ele precisa de ajuda. Existem muitos lugares escuros, obscuros que ele poderia ir", comentou Depp quando perguntado sobre Trump.

"Quando foi a última vez que um ator assassinou um presidente? Só para constar, eu não sou um ator. Eu minto para viver. Ainda assim, já faz um tempo e talvez tenha chegado a hora", acrescentou o ator. Em 1865, o presidente Abraham Lincoln foi assassinado com um tiro pelo ator John Wilkes Booth, no teatro de Washington.