Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

  • 04/07/2017
  • 17:13
  • Atualização: 17:35

Painel de peritos avaliará relatório final sobre morte de Neruda em outubro

Grupo será formado formado por investigadores do Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha e Chile

Poeta chileno morreu em 1973 | Foto: Divulgação / CP Memória

Poeta chileno morreu em 1973 | Foto: Divulgação / CP Memória

  • Comentários
  • Correio do Povo

Um painel de peritos internacionais elaborará em outubro em Santiago, no Chile, um "relatório pericial integrado" baseado nas últimas análises realizadas nos restos do poeta chileno Pablo Neruda, cuja morte, em 1973, ainda é investigada pela justiça do país, informou na terça-feira a família do escritor. Os restos do Nobel de Literatura de 1971, morto em uma clínica poucos dias depois do golpe de Estado, foram objeto de múltiplas perícias que buscam determinar se ele morreu devido a um câncer de próstata ou se foi assassinado pela ditadura de Augusto Pinochet

O painel reunirá em Santiago, em meados de outubro, especialistas do Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha e Chile e entregará suas conclusões ao juiz Mario Carroza, responsável pelo caso. "Estamos chegando a uma etapa de fechamento do ponto de vista do painel genético, de genética forense. Se o ministro (juiz) achar que isso, somado ao resto das evidências, compõe uma evidência sustentável para encerrar o caso, assim será", disse Gloria Ramírez, uma das peritas forenses, em uma coletiva de imprensa com correspondentes estrangeiros.

A versão do assassinato de Neruda ganhou força em 2011, quando foram reveladas declarações de seu motorista e assistente pessoal Manuel Araya, que afirmou que o estado de saúde do poeta piorou depois que lhe deram uma injeção no abdome. A denúncia abriu uma investigação que levou Carroza a ordenar, em abril de 2013, a exumação do corpo de Neruda. "Para mim não há dúvidas de que houve intervenção de terceiros (em sua morte), porque o processo mostra isso", disse Rodolfo Reyes Muñoz, advogado e sobrinho do poeta.

As primeiras perícias, em novembro de 2013, concluíram que devido à passagem dos anos não era possível estabelecer a presença de qualquer veneno em seu corpo. No entanto, o magistrado decidiu seguir em frente e ampliar as peritagens. Em uma nova exumação, foi encontrado um "estafilococo dourado" (Staphylococcus aureus) nos restos do escritor, uma bactéria altamente infecciosa que pode ser letal. Mas ainda não há provas contundentes de que esta tenha sido a causa da sua morte, em 23 de setembro de 1973.

A versão do assassinato é respaldada, além disso, por testemunhas que afirmam que Neruda estava bem antes de receber a injeção na clínica. Um avião oferecido pelo governo mexicano o esperava para levá-lo ao país, dando início à oposição ao regime de Pinochet, que deixou mais de 3.200 mortos.