Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 21 de Abril de 2018

  • 23/03/2018
  • 22:36
  • Atualização: 22:49

Livro de sonetos conquista o Açorianos de Literatura

Obra de Leonardo Antunes foi a vencedora em noite que homenageou Aldyr Schlee, Lya Luft, Sérgio Faraco e Deonísio da Silva, nesta sexta, no Renascença

Obra de Leonardo Antunes foi a vencedora em noite | Foto: Luiz Gonzaga Lopes / Especial CP

Obra de Leonardo Antunes foi a vencedora em noite | Foto: Luiz Gonzaga Lopes / Especial CP

  • Comentários
  • Luiz Gonzaga Lopes

A poesia dominou a 24ª edição do Prêmio Açorianos de Literatura realizada nesta sexta-feira à noite, no Teatro Renascença, no Centro Municipal de Cultura. A obra vencedora entre todas as oito categorias, escolhido pelo júri final formada por J.H. Dacanal, Débora Mutter e Deonísio da Silva, “João e Maria – Dúplice coroa de sonetos fúnebres”, de Leonardo Antunes, Editora Patuá, que também foi o vencedor da categoria Poema. A obra exercita a poesia na forma de coroa de sonetos, criada durante o século XV, uma espécie de ciclo de sonetos, cujos poemas, além de tratarem de temas correlatos, observam outras regras de composição entre si.

A justificativa do júri para a vitória de "João e Maria" foi "por haver demonstrado grande domínio técnico, utilizando-se de uma forma clássica da tradição lírica, impondo a si mesmo um extraordinário desafio formal; e, ao mesmo tempo, por abordar temas atuais como o suicídio, a prostituição e a violência familiar, tratando-os de forma dura mas poética, sem sensacionalismo ou moralismos".

A Noite do Livro, organizada pela Coordenação do Livro e Literatura da Secretaria Municipal de Cultura, teve como grande momento a homenagem, pelo conjunto da obra, aos escritores Lya Luft, Aldyr Garcia Schlee, Deonísio da Silva e Sergio Faraco, todos egressos da geração de 1960/70, uma iniciativa do Coordenador do Livro, Sergius Gonzaga, contemporâneo destes autores. “São autores da geração que alçou a literatura gaúcha a um patamar de destaque no país, junto com outros nomes que se seguiram como Luiz Antônio de Assis Brasil, João Gilberto Noll, Caio Fernando Abreu, Tabajara Ruas, José Clemente Pozenato e Charles Kiefer, entre outros”, destacou Sergius. Durante a cerimônia, foram realizadas leituras cênicas por convidados como José Francisco Botelho e Deborah Finnochiaro. Também durante a cerimônia o escritor e professor argentino Martín Kohan fez uma pequena exposição de ideias sobre “Jorge Luis Borges, o homem-texto” e foi entregue o Prêmio Relevância Cultural ao Espaço Delfos de Documentação e Memória da PUCRS.

Na categoria Infantil, o vencedor foi “Venturinha, o amigo do vento”, de Luiz Coronel, Mecenas Editora e Projetos Culturais; na Infantojuvenil, a vitória foi de “Jubarte”, de Luís Dill, Editora do Brasil; na categoria Contos, o primeiro colocado foi “Não Há Amanhã”, de Gustavo Melo Czekster, Zouk; na Crônica, a premiação foi para “Um Lugar na Janela 2 – relatos de viagem”, de Martha Medeiros, Editora L± na Narrativa Longa, deu “Homens Elegantes”, de Samir Machado de Machado, Editora Rocco. Na categoria Ensaio de Literatura e Humanidades, a obra vencedora foi “As Marcas do Cárcere”, de Leandro Ayres França, Alfredo Steffen Neto e Alysson Ramos Artuso, Editora IEA; e na categoria Especial, o melhor livro foi “A Força do Tempo – histórias de um repórter fotográfico brasileiro”, de Ricardo Chaves (Kadão Chaves), Editora Libretos. 

O Prêmio Açorianos de Literatura foi instituído em 1994. É considerado uma das mais importantes premiações do segmento no Rio Grande do Sul, contribuindo para o estímulo e reconhecimento de obras, autores, editoras e projetos. Nesta edição, foram premiadas as categorias Infantil, Infanto-juvenil, Crônica, Conto, Poema, Narrativa Longa, Ensaio de Literatura e Humanidades e Prêmio Especial.

• Os vencedores da Noite do Livro:

Livro do Ano: "João e Maria – Dúplice coroa de sonetos fúnebres", de Leonardo Antunes, Editora Patuá

Infantil: "Venturinha, o amigo do vento", de Luiz Coronel, Mecenas Editora e Projetos Culturais

Infanto-Juvenil: "Jubarte", de Luís Dill, Editora do Brasil

Crônica: "Um Lugar na Janela 2 – relatos de viagem", de Martha Medeiros, Editora L&PM

• Prêmio especial

Conto: "Não há amanhã", de Gustavo Melo Czekster, Editora Zouk

Poema: "João e Maria – Dúplice coroa de sonetos fúnebres", de Leonardo Antunes, Editora Patuá

Narrativa Longa: "Homens Elegantes", de Samir Machado de Machado, Editora Rocco

Ensaio de Literatura e Humanidades: "As Marcas do Cárcere", de Leandro Ayres França, Alfredo Steffen Neto e Alysson Ramos Artuso, Editora IEA

Especial: "A Força do Tempo – histórias de um repórter fotográfico brasileiro", de Ricardo Chaves (Kadão Chaves), Editora Libretos