Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de Agosto de 2017

  • 20/07/2017
  • 15:11
  • Atualização: 16:40

Rosamaria Murtinho celebra 60 anos de carreira com "Dorotéia", de Nelson Rodrigues

Atriz encabeça elenco do espetáculo que chega a Porto Alegre nesta sexta-feira

Letícia Spiller é uma prostituta e Rosamaria Murtinho, sua prima | Foto: Carol Beiriz / Divulgação / CP

Letícia Spiller é uma prostituta e Rosamaria Murtinho, sua prima | Foto: Carol Beiriz / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Rosamaria Murtinho, 82 anos, traz a Porto Alegre nos próximos dias o espetáculo em que celebra seus 60 anos de carreira. A atriz vive a protagonista e vilã Dona Flávia na peça "Dorotéia", escrita em 1949 por Nelson Rodrigues, que será apresentada nesta sexta e no sábado, às 21h, e no domingo, a partir das 18h, no Theatro São Pedro (Pça. da Matriz, s/nº). Restam alguns ingressos de camarote disponíveis, com valores entre R$ 80 e R$ 90.

No palco, Rosamaria Murtinho encabeça um elenco de mais de 10 atores e que conta com Letícia Spiller como Dorotéia. Quando estreou no Rio de Janeiro, no início de 2016, Rosamaria quebrou duas costelas, na primeira semana. Com mais cinco atrizes e um coro masculino, ela canta uma missa crioula e dança como Dona Flávia, que vive com mais duas viúvas, orgulhosas de suas feiúras. Em um casarão sem quartos, deitam-se no chão frio, para não dormirem e sonharem, o que é proibido. Um dia a prima mais nova, que se desencantou com a família e virou prostituta, bate na porta atrás de abrigo, após perder o filho. Mas só poderá ficar se destruir sua beleza e agir de modo "puritano", como as mais velhas.

A trilha sonora é assinada por João Paulo Mendonça, filho de Rosamaria, e executada pelos "homens-jarro". “O texto fala sobre hipocrisia, mentira, enganação. Não pode ser mais atual que o momento político brasileiro”, diz a atriz. Para celebrar seis décadas de carreira, ela optou pelo maior autor brasileiro: “você imagina que ele já fazia teatro do absurdo ao escrever ‘Dorotéia’, antes de Ionesco criar 'A Cantora Careca'". 

O projeto Dorotéia surgiu do encontro entre Rosamaria e o ator e diretor Jorge Farjalla, que dirige o espetáculo, após uma apresentação de “Paraíso Agora ou Prata Palomares”, de Zé Celso Martinez Correa. Enxergando nesse tipo de trabalho um uso diferenciado da pesquisa, da linguagem e da proposta cênica no uso do espaço, a atriz então propôs uma parceria para comemorar seus 60 anos de carreira produzindo o espetáculo.