Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 28/08/2014
  • 23:19
  • Atualização: 23:58

"Vamos buscar provar ato individual", diz Chitolina sobre racismo

Dirigente condena ação de parte da torcida e afirma que Grêmio não é preconceituoso

Dirigente condena ação de parte da torcida e afirma que Grêmio não é preconceituoso | Foto: Ricardo Giusti

Dirigente condena ação de parte da torcida e afirma que Grêmio não é preconceituoso | Foto: Ricardo Giusti

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

A noite desastrosa do Grêmio terminou ainda pior com a ocorrência de atos racista na torcida Tricolor contra o goleiro Aranha. O assessor de futebol, Marcos Chitolina, condenou a situação, mas buscou proteger a instituição em entrevista nesta quinta-feira. " Vamos buscar todos os recursos para provar que é um ato individual e mostrar que o culpado não é o Grêmio, que não é uma equipe racista", salientou.

"Eu sou contra racismo, existem lutas contra isso. Vamos ter que identificar o torcedor que fez isso, a forma como foi feita e punir", reforçou. "O clube não pode ser punido pelo ato individual de um torcedor. O time sempre busca, em todos os jogos, identificar pessoas que façam atos desse tipo ou violência", acrescentou Chitolina.

Ele descartou que o Grêmio sofra punições similares à que o Esportivo foi alvo após os atos contra o árbitro Márcio Chagas, no Gauchão. "Nós vamos identificar os envolvidos, naquele caso não foram", relatou. Chitolina ainda disse acreditar que o árbitro conduziu o jogo para uma situação nervosa, ao deixar o Santos atrasar a partida. "Foi um ato individual, na forma como se processava o jogo. Até pela forma como o árbitro conduziu, gerou todo este cenário", definiu.

Logo após a partida, o meia Zé Roberto condenou a situação de racismo, apesar de não ter conseguido testemunhar no gramado. "Acredito que precisa mesmo ocorrer uma punição, já que foi claro e público. A verdade é que somos um país racista", relatou. Ele também comentou que, quando jogava na Alemanha, nunca sofreu situação similar.

Aranha não prestará queixa

Por volta das 23h30min, a assessoria de imprensa do Santos informou que o goleiro Aranha – que ainda estava na Arena devido ao exame antidoping – não prestará queixa. Ele se manifestará sobre o caso apenas a partir desta sexta, por meio de uma nota oficial no site do Santos.

Ainda que o jogador não preste queixa, as pessoas flagradas pelas câmeras cometendo atos de racismo podem ser denunciadas pelo Ministério Público.

Bookmark and Share


TAGS » Grêmio, Futebol, Racismo