Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
13º 20º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Grêmio

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/08/2014 13:44 - Atualizado em 30/08/2014 13:50

Caso de racismo indica problema na educação, diz Fellipe Bastos

Volante destacou Grêmio tenta educar, mas não tem como colocar mordaças em torcedores

Caso de racismo indica problema na educação, diz Fellipe Bastos <br /><b>Crédito: </b> Lucas Uebel / Flickr Grêmio / Divulgação / CP
Caso de racismo indica problema na educação, diz Fellipe Bastos
Crédito: Lucas Uebel / Flickr Grêmio / Divulgação / CP
Caso de racismo indica problema na educação, diz Fellipe Bastos
Crédito: Lucas Uebel / Flickr Grêmio / Divulgação / CP

O volante Fellipe Bastos lamentou muito o episódio de racismo que ocorreu na última quinta-feira na Arena, durante o jogo entre Grêmio e Santos. Para o jogador gremista, o caso que teve como alvo o goleiro Aranha evidencia que o Brasil tem um sério problema na educação. "Acho que o problema é este e não é só aqui. A gente fica chateado, mas este tipo de coisa não pode acontecer mais. Eu sou negro e o nosso time conta com muitos negros", disse em entrevista coletiva neste sábado.

• Mulher suspeita de racismo na Arena do Grêmio é afastada do trabalho
• Aranha presta queixa por racismo em delegacia de Porto Alegre
• Grêmio identifica e exclui torcedores do quadro social
• "Grêmio dificilmente escapará de punição", avalia advogado do clube

Fellipe acredita que o Grêmio não deve ser punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O volante defende a punição para os torcedores que protagonizaram as ofensas contra Aranha. "O clube tenta educar, mas a gente nunca sabe o que passa na cabeça de cada um que está nas arquibancadas. O Grêmio não pode ser penalizado, até porque não tem como colocar uma mordaça na boca de cada torcedor", declarou.  

O jogador afirmou que nunca sofreu com racismo dentro do futebol, mas lembrou que já presenciou situações em que os alvos eram os colegas. "Nunca passei por isso, mas já convivi com jogadores que tiveram esta experiência. Nos tempos de Vasco, o Dedé passou por isso durante uma Libertadores. É difícil falar sobre isso e me solidarizou com o Aranha, a quem deixo o meu abraço", finalizou.


Assista aos vídeos:






 

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.