Porto Alegre, quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

  • 31/08/2014
  • 22:11
  • Atualização: 22:56

Koff presume que cânticos contra Bahia foram para prejudicar o Grêmio no STJD

Presidente apela para que Conselho analise representações contra torcedores que cometeram erros

Koff pediu que representações contra torcedores tenham curso no CD | Foto: Lucas Uebel / Divulgação / Grêmio / CP Memória

Koff pediu que representações contra torcedores tenham curso no CD | Foto: Lucas Uebel / Divulgação / Grêmio / CP Memória

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

O presidente Fábio Koff lamentou neste domingo que uma parte dos torcedores que estavam na arquibancada norte da Arena, na partida contra o Bahia, tenham cantado músicas com termos racistas, como “macaco imundo”. O dirigente se mostrou surpreso e chocado com a atitude a poucos dias do julgamento que ocorrerá no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e que definirá a punição pelos episódios da partida contra o Santos, na última quinta-feira, pela Copa do Brasil.

“O fato deste domingo induz a conclusão de que a atitude é para prejudicar o Grêmio no julgamento da próxima quarta-feira. É uma presunção. Não tenho prova disso, mas, de toda a maneira, o fato em si é lamentável. Feito de propósito para prejudicar o Grêmio ou seja uma administração de uma minoria, já que o fato foi repudiado pela grande maioria dos torcedores que estavam no estádio e vaiaram aquela manifestação”, afirmou Koff.

O mandatário lembrou que a história do Grêmio é marcada pela união entre todos os seres humanos e que a direção estão concentrados em ajudar as autoridades a identificar e punir os culpados pelas atitudes racistas. Aqueles que cantaram neste domingo, também deverão ser expulsos do clube.

“Se pudermos identificar os autores da manifestação, como fizemos na quinta-feira, eles serão excluídos do quadro social. Sumariamente, o Conselho de Administração irá excluí-los. Depois, eles que respondam ao processo, que será instaurado, pois passou a ser um problema que transcende os limites da diretoria do Grêmio. É um problema cultural e policial. Vamos encaminhar para as autoridades competentes, todos os elementos para que sejam punidos os autores de fatos desta natureza”, declarou o presidente.

O presidente ainda pediu que os processos que estão em andamento no conselho deliberativo sejam acelerados para que o clube se livre definitivamente de pessoas que não conseguem conviver com os seus iguais.

“Há representações no conselho deliberativo do Grêmio contra torcedores identificados nesta situação. Espero que as representações que lá existam tenham curso. O Conselho de Administração agiu prontamente com uma punição de exclusão sumária daqueles envolvidos no episódio de quinta-feira. Não podemos admitir fatos desta natureza ocorra”, completou o dirigente.

Bookmark and Share