Correio do Povo

Porto Alegre, 18 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
17º 26º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Grêmio

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

02/09/2014 11:58 - Atualizado em 02/09/2014 12:10

Ouvidos pela polícia, gremistas negam atos de racismo

Jovens de 19 e 23 anos afirmaram que estavam na Arena, mas não admitiram ofensas contra Aranha

Os dois torcedores gremistas intimados a depor no caso de racismo envolvendo o goleiro Aranha negaram que tenham ofendido o jogador do Santos durante a partida contra o Grêmio, válida pela Copa do Brasil. Tiago de Oliveira, de 23 anos, e Rodrigo Rychter, de 19, se apresentaram nesta terça-feira e prestaram depoimento na 4ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre.

O último a depor foi Rychter, que admitiu estar no setor chamado de Geral na Arena. No entanto, o jovem afirmou que não ofendeu Aranha durante o jogo da última quinta-feira. Ele não quis dar entrevistas, mas admitiu informalmente que estava nas imagens captadas pelas câmeras do estádio.

Já Tiago de Oliveira afirmou que não estava entre as pessoas que ofenderam o jogador do Santos. "Não era eu que estava lá. A pessoa da imagem era muito parecida comigo. Eu estava assistindo à partida, mas do outro lado da Arena. Estava sentado no quarto andar. Não pude ajudar a polícia porque não conheço ninguém que aparece nas imagens e não sei quem frequenta a Geral", disse ao atender os jornalistas.

Estudante de Ciências Contábeis, Oliveira relatou que não sabe se abrirá um processo contra o Grêmio por ter sido chamado para depor. "Se for possível, posso fazer isso, mas é uma coisa a ser estudada. A gente fica chocado com a situação e uma coisa é certa: não pretendo frequentar mais estádio de futebol", declarou.

Oliveira justificou a iniciativa de não frequentar mais a Arena por conta dos recentes conflitos de torcida que acabam prejudicando o clube. "Conversei com o meu irmão e percebi que a gente acaba não gostando de ir ao estádio. A gente paga pelo racismo, por invasão de campo e isso só atrapalha o Grêmio. Tem muita gente deixando de ser sócio por causa disso", explicou.

O comissário de polícia Lindomar Souza comentou que o indiciamento de torcedores envolvidos no caso de racismo pode demorar para ocorrer. "É muito cedo para fazermos um pronunciamento sobre isso. O delegado Herbert Ferreira é quem fará esta análise", resumiu.

Ao avaliar o depoimento do torcedor Tiago de Oliveira, o comissário salientou que o estudante disse ter acessado o gramado da Arena através de um outro portão e não aquele que leva ao setor da Geral. "De acordo com o depoimento dele, vamos buscar as imagens dele acessando este outro portão", acrescentou. 

Depoimento na quinta-feira

Patrícia Moreira, que foi flagrada pelas câmeras de TV ofendendo o goleiro Aranha, deve ser ouvida nesta quinta-feira. Todos estão sendo investigados por injúria qualificada. A Polícia Civil começou a analisar as imagens entregues pelo Grêmio, mostrando um grupo gritando palavras ofensivas ao goleiro do Santos. Na semana passada, a direção do clube informou ter identificado cinco torcedores.
   
Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.