Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 27 de Maio de 2017

  • 08/05/2017
  • 08:47
  • Atualização: 08:53

Ambiente do Inter é de resignação e elogios ao Novo Hamburgo

Após ter sonho do hepta interrompido, discurso é de que as atenções agora estão todas na Série B

Ambiente do Inter é de resignação e elogios ao Novo Hamburgo | Foto: Mauro Schaefer

Ambiente do Inter é de resignação e elogios ao Novo Hamburgo | Foto: Mauro Schaefer

  • Comentários
  • Fabrício Falkowski

O ambiente colorado, ao final da partida no Centenário, era de tristeza, mas resignação. Dirigentes, jogadores e até o técnico Antônio Carlos Zago, apesar de afirmarem que o Inter jogou melhor a final, reconheceram os méritos do Novo Hamburgo. Todos ressaltaram, porém, que o ano está no começo e a grande tarefa da temporada, que é regressar para a Série A, ainda não viveu seus capítulos iniciais.

O Inter estreia na competição nacional no próximo sábado, no Estádio do Café, em Londrina. “É importante que a gente volte no passado e lembre o que aconteceu no ano passado (referindo-se ao rebaixamento). Temos que lembrar que estamos fazendo um trabalho de reconstrução aqui. Gostaríamos de conquistar o título, até porque seria muito importante para o seguimento do trabalho. Mas estamos no caminho certo para conquistar o objetivo principal, que é recolocar o Inter na Série A”, disse.

Zago, além de lembrar que o clube passa por uma reformulação, disse que o Inter está mostrando evolução, inclusive nos dois jogos finais contra o Novo Hamburgo. “O Danilo não fez defesas no primeiro tempo. E acho que no segundo também não encostou na bola. Jogamos bem, mas não conseguimos conquistar o título. O Novo Hamburgo não construiu nenhuma chance de gol. A equipe se comportou bem. A gente fica sentido por não ter conquistado o título, mas a equipe teve um crescimento muito importante desde o início do ano e, apesar de não temos conquistado o título, seguiremos o trabalho da mesma forma”, continuou o treinador.

D’Alessandro também enfatizou o merecimento do Novo Hamburgo, “Temos que ter consciência de valorizar a conquista do nosso adversário. Nos jogamos o Gauchão com ambição de conquistar o título, mas eles foram mais felizes”, enfatizou D’Alessandro. Ele disse que o time pode tirar lições do Gauchão para a disputa da Série B: “Mostramos uma outra cara, de um time lutador, que não desiste diante das adversidades. Isso vai ser importante para a Série B”.

Foco é retornar à Série A

A perda do título não chega a abalar a confiança dos dirigentes sobre o trabalho que está sendo realizado desde o rebaixamento. A meta mais importante da temporada ainda é a volta para a primeira divisão, embora todos reconheçam que a possibilidade de título gaúcho fosse fundamental para a recuperação da autoestima do grupo de jogadores e também da torcida.

“Estamos doloridos e inconformados. A partir de agora, a nossa responsabilidade aumentou, pois temos três competições nacionais até o final do ano. E estamos bem vivos em todas elas”, disse o presidente Marcelo Medeiros, referindo-se também à Primeira Liga e à Copa do Brasil.

Na próxima quarta-feira, o atacante Pottker - que ontem deixou o título paulista escapar com a Ponte Preta - desembarca em Porto Alegre. Ele e o meia Felipe Gutierrez, que não estava inscrito no Gauchão, são os primeiros reforços de Zago para a estreia na Série B. Marcelo Cirino também está à disposição.

O goleiro no jogo contra o Londrina deve ser Danilo Fernandes, mesmo que ele ainda tenha algumas limitações para jogar com o pés. Marcelo Lomba ainda demorará para recuperar-se de sua lesão muscular. “Tem muita coisa no ano ainda. Vamos em busca”, finalizou D’Ale.

Melo garante que Zago fica

O discurso de Roberto Melo, ao final da partida, foi de confiança no trabalho. Em momento algum, o vice de futebol colocou em dúvida a permanência de Antônio Carlos Zago no comando do time. “Perdemos um título que gostaríamos muito de conquistar. Tem que doer, tem que machucar, mas tem que passar muito rápido. Sábado, temos jogo e temos que reagir”, enfatizou o dirigente. Ele lembrou que o grupo sofreu uma reformulação desde o rebaixamento, no ano passado.

“Mais de 30 jogadores já deixaram o clube. Estamos fazendo um trabalho discreto de reformulação, mas o time está evoluindo. O Zago é o nosso treinador e sábado estreamos no Brasileirão. A gente sabia que ia ser difícil e está sendo. Mas confiamos no trabalho e acreditamos que ele dará o resultado que esperamos”, finalizou.