Porto Alegre, sábado, 1 de Novembro de 2014

  • 05/07/2014
  • 20:39
  • Atualização: 21:34

Incêndio no Mercado Público completa 1 ano neste domingo

Permissionários que tiveram locais destruídos só devem voltar ao andar superior em 2015

Incêndio destruiu boa parte do andar superior | Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

Incêndio destruiu boa parte do andar superior | Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

  • Comentários
  • Rádio Guaíba e Correio do Povo

Na noite de 6 de julho de 2013, um dos maiores símbolos de Porto Alegre, o Mercado Público ardia em chamas. Um incêndio na parte superior do prédio histórico, ponto de encontro de milhares de pessoas, centro comercial, mobilizou bombeiros de diversas guarnições para combater o fogo. O combate às chamas levou quase duas horas. O fogo consumiu parte do segundo andar do edifício de 144 anos, em especial do quadrante da avenida Júlio de Castilhos, e causou tristeza à população da Capital. As investigações da Polícia chegaram a conclusão de que o incêndio foi provocado por uma fritadeira elétrica que ficou ligada na cozinha do restaurante Atlântico, loja 46, localizado no segundo pavimento.

Saiba mais
Imagens registram momentos do incêndio no Mercado
Incêndio de grandes proporções atinge Mercado Público de Porto Alegre
Bombeiros controlam incêndio no Mercado Público

As obras de restauração se arrastam. Os permissionários que tiveram estabelecimentos destruídos ou danificados pelo fogo acreditam que ainda será longo o percurso até o final da obra de restauração do local. O grupo de trabalho envolvido na reforma diz que, até novembro, será possível realocar os sete restaurantes mais atingidos para o andar superior. Atualmente, os estabelecimentos estão funcionando no térreo.

O prazo é apertado, segundo o presidente da Associação dos Permissionários do Mercado Público, Ivan Konig. “Fizeram uma chapa de concreto e armação metálica. Está muito boa a obra, mas falta muito a ser realizado. Não piso, reboco de todas paredes e reformas dos banheiros. Não acredito que em novembro seja possível retomar o local”, ressalta.

Na próxima segunda-feira, a empresa contratada para restaurar a estrutura metálica do Mercado vai instalar um guindaste na avenida Borges de Medeiros para começar a obra. Duas faixas de trânsito da Borges ficarão bloqueadas por duas semanas. A previsão da empreiteira é de retiradas das estruturas danificadas pelo fogo nos próximos dois meses e recuperação do telhado de metal em até quatro meses.

A terceira etapa, que será a de reforma dos sistemas elétrico, hidráulico e de refrigeração, é a mais atrasada segundo o arquiteto Luiz Merino Xavier. As empresas que realizaram a restauração na década de 1990 estão atualizando os projetos. “Essas três companhias têm know-how para atualizar os projetos dessas redes. Um orçamento estimado, até porque precisamos enviar previsão de custo ao Ministério da Cultura, é de que vai custar aproximadamente R$7 milhões”, destaca um dos responsáveis pelo grupo das obras do PAC Cidades Históricas na Capital.

Durante a Copa do Mundo, o Mercado virou ponto de encontro de turistas, que aproveitaram para circular pelos corredores, visitar as bancas e apreciar as especiarias.






* Com informações da repórter Samantha Klein,da Rádio Guaíba

Bookmark and Share