Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Trânsito

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

08/07/2014 09:20 - Atualizado em 08/07/2014 10:11

Obras no Mercado Público alteram trânsito em Porto Alegre

Avenida Borges de Medeiros está bloqueada em meia pista

Avenida Borges de Medeiros está bloqueada em meia pista
Crédito: André Ávila

Em razão da reforma do Mercado Público, serão realizados bloqueios parciais no trânsito nas ruas próximas ao local. Os bloqueios são de meia pista e ocorrem a partir desta terça-feira na avenida Borges de Medeiros.

De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), as intervenções acontecem em todas as vias laterais ao Mercado (Borges de Medeiros, Júlio de Castilhos e praça Parobé). Cada etapa tem duração aproximada de uma semana. As demais vias são bloqueadas conforme o andamento da obra, sendo uma via bloqueada de cada vez.

Durante a obra, agentes de trânsito da EPTC intensificaram o monitoramento nas proximidades do Mercado Público.

Incêndio no Mercado Público

Na noite de 6 de julho de 2013 o Mercado Público ardia em chamas. Um incêndio na parte superior do prédio histórico mobilizou bombeiros de diversas guarnições para combater o fogo. O combate às chamas levou quase duas horas. O fogo consumiu parte do segundo andar do edifício de 144 anos. As investigações da Polícia chegaram a conclusão de que o incêndio foi provocado por uma fritadeira elétrica que ficou ligada na cozinha do restaurante Atlântico, loja 46, localizado no segundo pavimento.

Etapas de restauração

Nessa segunda-feira a empresa contratada para restaurar a estrutura metálica do Mercado instalou um guindaste na avenida Borges de Medeiros para começar a obra. A previsão da empreiteira é de retiradas das estruturas danificadas pelo fogo nos próximos dois meses e recuperação do telhado de metal em até quatro meses.

A terceira etapa, que será a de reforma dos sistemas elétrico, hidráulico e de refrigeração, é a mais atrasada segundo o arquiteto Luiz Merino Xavier. As empresas que realizaram a restauração na década de 1990 estão atualizando os projetos. “Essas três companhias têm know-how para atualizar os projetos dessas redes. Um orçamento estimado, até porque precisamos enviar previsão de custo ao Ministério da Cultura, é de que vai custar aproximadamente R$ 7 milhões”, destaca um dos responsáveis pelo grupo das obras do PAC Cidades Históricas na Capital.

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.