Porto Alegre, quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

  • 10/07/2014
  • 20:40
  • Atualização: 21:59

Advogado diz que perito da morte da mãe de Bernardo é parente do pai

Família questiona suicídio de Odilaine Uglione, como indica investigação de 2010

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

O advogado de Jussara Uglione, avó de Bernardo Boldrini, sustenta que o perito responsável pelo exame no corpo da mãe do menino, morta em 2010 após suposto suicídio, é parente do pai do garoto, Leandro Boldrini. Conforme pesquisa feita pelo advogado Marlon Taborda, a filha do examinador é casada com um primo de Leandro, médico acusado de participar do homicídio do garoto em Três Passos. Em entrevista à Rádio Guaíba, Taborda também disse que o perito pode ter forjado uma tomografia de Odilaine Uglione, apresentada ao Poder Judiciário quatro anos após a morte da mulher.

• Leia mais sobre o caso Bernardo


“Considero estranho aparecer somente agora uma tomografia, pois a gente vem pedindo isso há muito tempo. Além disso, ele encaminhou explicações ao Poder Judiciário sobre o exame pericial. Só que isso não foi pedido pela Justiça. O que me parece muito estranho”, avaliou Taborda.

O advogado também questionou o fato de a perícia no corpo de Odilaine ter sido feita durante a noite. Outro ponto levantado é o fato de terem sido encontrados resquícios de pólvora na mão esquerda da mulher, que era destra. Ele destacou, ainda, que vai aguardar decisão judicial sobre a reabertura do caso para apresentar as novas informações obtidas. O pedido de nova análise do inquérito já foi protocolado pela defesa da avó de Bernardo, mas a Justiça ainda não deu parecer sobre a solicitação.

O suposto suicídio de Odilaine, em 2010, voltou a ganhar repercussão em 2014, após o assassinato de Bernardo, de 11 anos, no Norte do Estado. Para a defesa da avó, o pai do menino é suspeito de envolvimento também na morte da mãe. Taborda frisou, ainda, que Boldrini presenciou o fato, já que Odilaine morreu dentro da clínica dele, três dias antes de assinar a separação. Em maio, o médico se tornou réu pela morte do filho, junto da madrasta de Bernardo, a enfermeira Graciele Ugulini, e dos irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz, conhecidos do casal.

Bookmark and Share