Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 15/07/2014
  • 09:15
  • Atualização: 09:35

Obras no Mercado Público geram congestionamentos em Porto Alegre

Restrições parciais devem continuar pelos próximos 30 dias no Centro

Restrições parciais devem continuar pelos próximos 30 dias | Foto: André Ávila

Restrições parciais devem continuar pelos próximos 30 dias | Foto: André Ávila

  • Comentários
  • Bibiana Borba / Rádio Guaíba

O bloqueio parcial das avenidas Borges de Medeiros e Júlio de Castilhos, no entorno do Mercado Público de Porto Alegre, vem provocando filas de trânsito lento em todo o Centro Histórico desde a manhã dessa segunda-feira. A rua Siqueira Campos é a mais carregada, com congestionamentos desde a altura da Usina do Gasômetro nos horários de pico. As melhores alternativas para os motoristas que saem do Centro são a rua Duque de Caxias e a avenida Loureiro da Silva.

• Obra no Mercado Público fechará dois acessos à estação da Trensurb

As restrições no trânsito ocorrem para o transporte dos materiais de reparo do telhado do prédio histórico, danificado pelo incêndio de julho do ano passado. De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) , os bloqueios devem acontecer pelos próximos 30 dias. Também em razão das obras, a entrada da estação Mercado, da Trensurb, pela avenida Júlio de Castilhos, próxima à Borges, foi fechada. Em um segundo momento, está previsto o bloqueio da entrada próxima à Praça Parobé.

Etapas de restauração

Nessa segunda-feira a empresa contratada para restaurar a estrutura metálica do Mercado instalou um guindast na avenida Borges de Medeiros para começar a obra. A previsão da empreiteira é de retiradas das estruturas danificadas pelo fogo nos próximos dois meses e recuperação do telhado de metal em até quatro meses.

A terceira etapa, que será a de reforma dos sistemas elétrico, hidráulico e de refrigeração, é a mais atrasada segundo o arquiteto Luiz Merino Xavier. As empresas que realizaram a restauração na década de 1990 estão atualizando os projetos. “Essas três companhias têm know-how para atualizar os projetos dessas redes. Um orçamento estimado, até porque precisamos enviar previsão de custo ao Ministério da Cultura, é de que vai custar aproximadamente R$ 7 milhões”, destaca um dos responsáveis pelo grupo das obras do PAC Cidades Históricas na Capital.

Incêndio no Mercado Público

Na noite de 6 de julho de 2013 o Mercado Público ardia em chamas. Um incêndio na parte superior do prédio histórico mobilizou bombeiros de diversas guarnições para combater o fogo. O combate às chamas levou quase duas horas. O fogo consumiu parte do segundo andar do edifício de 144 anos. As investigações da Polícia chegaram a conclusão de que o incêndio foi provocado por uma fritadeira elétrica que ficou ligada na cozinha do restaurante Atlântico, loja 46, localizado no segundo pavimento.

Bookmark and Share