Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

  • 22/07/2014
  • 14:22
  • Atualização: 14:38

Embaixador defende Nobel da Paz para soldados israelenses

Representante de Tel Aviv em Washington insistiu no direito do país de se defender do Hamas

Dermer admitiu, no entanto, que Israel não é perfeito. ´´Também cometemos erros´´, afirmou | Foto: Menahem Kahana / AFP / CP

Dermer admitiu, no entanto, que Israel não é perfeito. ´´Também cometemos erros´´, afirmou | Foto: Menahem Kahana / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Os soldados israelenses deveriam receber o Prêmio Nobel da Paz pela inimaginável contenção que estão demonstrando em sua luta contra o Hamas, afirmou nesta terça-feira o embaixador de Israel, Ron Dermer, em Washington, que insistiu no direito de seu país de se defender. O embaixador realizou estas declarações na noite de segunda-feira durante um evento realizado pelo grupo Cristãos por Israel, segundo o texto de seu discurso postado em seu Facebook.

Dermer comparou os foguetes lançados pelo Hamas contra Israel com bombardeios alemães sobre Londres durante a Segunda Guerra Mundial e atacou quem acusa Israel de genocídio e crimes de guerra. "A verdade é que as forças de defesa israelenses deveriam receber o Prêmio Nobel da Paz, já que lutam com uma contenção inimaginável", afirmou. Falando aos jornalistas nesta terça, Dermer admitiu, no entanto, que Israel não é perfeito. "Também cometemos erros", afirmou.

"Um míssil pode explodir num local errado, podemos cometer erros em termos de inteligência, mas jamais comamos
deliberadamente os civis como alvo. Quando morre um civil, a operação é um fracasso e uma tragédia". "Acho que Israel deveria ter a admiração da comunidade internacional pela contenção que demonstra em relação às ameaças que enfrenta", acrescentou. A ofensiva israelense na Faixa de Gaza já deixou 600 mortos entre os palestinos e 27 soldados e dois civis do lado israelense.

Escola da ONU em Gaza é atingida por ataque israelense

Uma escola da ONU na Faixa de Gaza que recebe pessoas deslocadas pelo conflito foi atingida nesta terça-feira por disparos israelenses, anunciou a Agência da ONU para ajuda aos Refugiados Palestinos (UNRWA).

Um responsável pela agência informou à AFP que uma equipe da ONU estava na escola localizada no campo de refugiados de al-Maghazi (centro do território) no momento em que disparos de tanques militares atingiram o prédio.

Bookmark and Share