Porto Alegre, quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

  • 23/07/2014
  • 20:00
  • Atualização: 21:20

Decretada prisão preventiva de juiz aposentado suspeito de matar a companheira

Crime ocorreu em Restinga Seca e o ex-magistrado foi capturado após se acidentar de carro

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

A juíza Juliana Tronco Cardoso, da Vara Judicial de Restinga Seca, decretou na tarde desta quarta-feira a prisão preventiva de um juiz aposentado de Minas Gerais, de 65 anos, suspeito de matar a tiros a companheira, Madalena Dotto Nogara, de 55, na noite de terça-feira, no município da região Central. Durante a tarde, ele foi encaminhado à carceragem do Grupamento de Operações Especiais (GOE), em Porto Alegre.

O crime ocorreu na residência do casal. Na manhã desta quarta-feira, o ex-juiz se envolveu em um acidente de trânsito, o que facilitou a prisão. Ele perdeu o controle de um Fiat Uno Vivace no km 75 da BR 101, entre os municípios de Torres e Osório. O magistrado, que era procurado pela Brigada Militar, foi detido após ser submetido a atendimento médico em Tramandaí. Para fundamentar a prisão, a magistrada considerou os indícios – fortes, segundo a Polícia – de que o magistrado aposentado tenha sido o autor do crime.

Ao depor em Osório, durante à tarde, ele confessou ter atirado pelo menos duas vezes contra a esposa. De acordo com o delegado Gustavo Brentano, o magistrado relatou que a mulher havia pedido a ele para ensiná-la a como lidar com a arma e que, em um determinado momento, apontou o revólver na direção dele. O juiz contou, então, que tomou a arma da esposa, o que provocou um primeiro tiro, supostamente acidental, que também acertou Madalena. Ele também disse que a intenção era partir para Belo Horizonte, a fim de se entregar à Justiça mineira.

Uma das testemunhas ouvidas disse que o suspeito ligou para ela, na madrugada, dizendo ter “feito uma besteira”, contando que Madalena havia morrido e sugerindo a intenção de fugir. No telefonema, o juiz informou que a mãe da vítima, que é debilitada e não consegue caminhar, permanecia na casa e que havia deixado destrancados o portão e a porta dos fundos. Essa pessoa acionou a Brigada Militar que, ao chegar ao local, encontrou munições deflagradas e uma arma ao lado do corpo da vítima, sobre a cama. Segundo a perícia, a mulher foi atingida com três tiros.

Outra testemunha relatou que o suspeito e a vítima se conheceram pela Internet há cerca de nove meses, passaram a morar juntos e eram casados há um mês.

Bookmark and Share