Porto Alegre, sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

  • 26/07/2014
  • 17:26
  • Atualização: 14:01

Teor de sódio superior a 200 mg/l deve constar na embalagem da água mineral

Especialistas recomendam que consumidores fiquem atentos a números informados nas garrafas

  • Comentários
  • Correio do Povo

Beber água é a recomendação mais comum para a hidratação do corpo humano. Mas até com ela é preciso ter cuidado. Diferentemente da água da torneira, o consumidor pode conferir a composição das águas minerais nos rótulos. Um dos elementos que aparece é o sódio, substância associada a uma série de doenças.

Uma pesquisa feita pela reportagem do Correio do Povo analisou 13 diferentes marcas de água mineral. O produto registra crescimento no consumo no País, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria das Águas Minerais (Abinam). O teor de sódio entre as marcas investigadas varia de 6,7 a 103,6 miligramas por litro (mg/l). A Crystal, embalada pela Vonpar (Coca-Cola), está no topo da lista, concentrando a maior quantidade de sódio (103,6 mg/l). As demais marcas pesquisadas pelo jornal não ultrapassam os 75 miligramas por litro.

Uma das explicações para a água mineral Crystal ter quantidade de sódio superior na comparação com o produto de outras indústrias é a localização da fonte, em Ijuí. As características do solo e a profundidade do aquífero de onde a água é extraída poderiam esclarecer a diferença na concentração de sódio. Para ser vendida como água mineral natural, ela não pode ser modificada.

O geólogo e coordenador da Câmara Especializada de Geologia e Engenharia de Minas do Crea/RS, Ivam Luis Zanette, lembra que a água tem de ser embalada in natura, assim como foi retirada do aquífero, para que não viole a legislação que classifica as águas minerais. Ele explica que muitos fatores influenciam na maior ou menor quantidade de sais. “Depende da geologia do local, do contato que essa água subterrânea foi tendo com as rochas ao longo de milhões de anos. A região de Ijuí e do rio Ijuí tem essa característica de ter um alto teor de bicarbonato e sódio que está muito ligado à geologia”, afirma Zanette.

Apesar de não ter encontrado estudos que abordem os malefícios dos minerais na água, o geólogo comenta que tem escolhido águas mais “leves” para consumir. “Prefiro água com pH neutro e com pouca quantidade de minerais”, diz.
A nutricionista do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, da Divisão da Vigilância Sanitária, Josete Baialardi Silveira, lembra que existe uma resolução publicada em 2005 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que aponta que, se a água contiver mais de 200 miligramas de sódio por litro, essa informação deve estar em destaque na embalagem.

A nutricionista responsável pela área de nutrição no Ambulatório de Hipertensão do Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, de Porto Alegre, Denise Ruttke Dillenburg Osório, recomenda às pessoas que confiram embalagens da água e de todos os tipos de alimentos antes da ingestão. “Para os hipertensos e pessoas que sofrem com problemas renais crônicos e doenças cardiovasculares, o cuidado precisa ser ainda maior. Isso também vale para a água. Se puderem encontrar água com menos sódio, melhor”, orienta a nutricionista do Cardiologia.

Denise também recomenda a consulta no rótulo do pH (nível de acidez da água). “O recomendado é o pH estar entre sete e dez, que vai do neutro ao alcalino”, afirma a profissional.


Esclarecimento para imprensa sobre sódio em Crystal, Fonte Ijuí


Como as demais marcas de água mineral do mercado, Crystal Fonte Ijuí, não é fonte relevante de sódio. Todos os minerais presentes não fazem mal à saúde e são naturalmente encontrados na água, tal como é retirada da fonte. A legislação brasileira não permite a adição ou a retirada de qualquer substância da água mineral: o produto deve ser engarrafado com as mesmas características encontradas na natureza.

A presença de sódio é uma característica natural de nossa água, em função da composição do solo da região onde está localizada a fonte - a tradicional Fonte Ijuí, que hidratou os gaúchos por quase 70 anos.

O teor de sódio é de aproximadamente 100 mg/L., o que é comparável às concentrações em alimentos classificados como "baixo em sódio" pela Anvisa. Para ultrapassar o valor diário de referência de sódio estabelecido pela Anvisa - 2.400 mg -, uma pessoa teria que tomar mais de 23 litros de água Crystal, Fonte Ijuí, por dia.

Apesar de o teor de sódio da Fonte Ijuí ser maior do que o de outras fontes, isso não é motivo de preocupação porque água mineral não é fonte relevante de sódio. A quantidade de sódio presente em Crystal, Fonte Ijuí, não provoca qualquer desconforto ao organismo. Pelo contrário, ela mata a sede, auxilia na hidratação e, portanto, é uma ótima opção para ser consumida a qualquer momento.

Bookmark and Share


TAGS » Saúde, Consumo, Geral, Água