Porto Alegre, quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

  • 02/08/2014
  • 18:12
  • Atualização: 18:34

Israel não vai ao Egito para discutir cessar-fogo

Conflito entre israelenses e o grupo palestino Hamas já deixou mais de mil mortos em Gaza

Conflito já deixou mais de mil mortos em Gaza | Foto: Said Khatib / AFP / CP

Conflito já deixou mais de mil mortos em Gaza | Foto: Said Khatib / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Israel decidiu não enviar uma delegação ao Cairo para as negociações por um cessar-fogo na Faixa de Gaza, indicou um
alto funcionário israelense neste sábado.

Esse anúncio confirma informações da imprensa local segundo as quais o gabinete de segurança, que reúne os principais
ministros em torno do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, havia decidido não enviar ninguém ao Cairo.

• Israel autoriza habitantes do norte de Gaza a retornar para suas casas
• Egito tenta negociar fim do conflito na Faixa de Gaza
• Quase 300 crianças já morreram devido aos ataques na Faixa de Gaza

"Um acordo não interessa ao Hamas, que apenas brincou com a comunidade internacional", indicou a rádio do Exército, citando uma autoridade política.

Discussões estavam previstas na capital egípcia após o anúncio feito na madrugada de sexta-feira de um cessar-fogo aceito pela primeira vez por Israel e pelo Hamas.

Israelenses e palestinos deveriam discutir em separado com os egípcios, acompanhados pelos americanos, com o objetivo de concluir um acordo para suspender as hostilidades de forma duradoura.

Mas o cessar-fogo foi por terra na sexta-feira, assim como as chances de negociações no Cairo.

Uma delegação palestina chegou neste sábado ao Cairo para se reunir com autoridades egípcias no dia seguinte. Ela conta principalmente com Majed Faraj, chefe da segurança da Autoridade Palestina, que deve ser acompanhado por integrantes do Hamas. Do lado americano, o enviado ao Oriente Médio Frank Lowenstein é aguardado na capital egípcia.

De acordo com um registro apresentado na noite deste sábado por equipes de emergência locais, 1.810 palestinos morreram, em sua grande maioria civis. Israel perdeu 63 soldados desde o início dos combates, além do suposto sequestro do subtenente Hadar Goldin. Foguetes disparados a partir de Gaza mataram três civis em Israel.

"Prometemos desde o início o retorno à calma para os cidadãos de Israel e vamos continuar a agir até que tenhamos atingido este objetivo. Isto levará o tempo que for necessário e empregaremos toda a força necessária", declarou Netanyahu à imprensa em Tel Aviv.

O premiê de Israel afirmou ainda que as forças armadas israelenses "estão prestes a concluir a neutralização dos túneis de Gaza". Segundo Netanyahu, os túneis do Hamas teriam permitido ao movimento "sequestrar e assassinar vários cidadãos em ataques simultâneos".

Já o Hamas prometeu à AFP que vai continuar lutando contra Israel até que os objetivos do movimento sejam alcançados.

"Vamos manter nossa resistência até que nossos objetivos sejam alcançados. Netanyahu quer reivindicar uma falsa vitória de seu governo e de seu Exército", afirmou o porta-voz do movimento, Fawzi Barhum, que se manifestou logo depois das declarações do premiê israelense.

Confira a galeria de fotos do confronto


Mortes e desolação na Faixa de Gaza

Bookmark and Share