Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

04/08/2014 21:11 - Atualizado em 04/08/2014 23:49

Superintendente do Mapa no RS minimiza álcool no leite Piá

Francisco Signor pediu explicações sobre nota de Brasília

O superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Rio Grande do Sul, Francisco Signor, minimizou o impacto da nota divulgada nesta segunda-feira pela assessoria do órgão informando sobre a ordem de retirada do mercado de lotes de leite e requeijão da marca Piá, determinada em metade de julho. Apesar de confirmar que essa não é a primeira vez que indícios de álcool etílico aparecem no leite gaúcho, Signor deixou claro que a cooperativa Petrópolis, que fabrica o leite, já passou pelo regime especial de fiscalização e foi liberada a voltar a produzir, ainda no dia 21.

O superintendente disse não ver razão para o alarmismo e confirmou que vai pedir explicações ao Ministério sobre o motivo de a nota ter sido publicada agora. “Prejudica uma marca que já implantou ações corretivas e é nocivo para o mercado. Tens notícia de alguém que já tenha morrido por ter tomado o leite gaúcho? Me preocupa mais quem morre por não tomar leite”, declarou.

Para o superintendente, resultados como esse só aparecem porque há fiscalização. Signor disse que cerca de 60% dos fiscais e técnicos de nível médio da Pasta – em torno de 70 pessoas – estão dedicadas apenas a fiscalizar o leite no Rio Grande do Sul, sem contar o pessoal de laboratório. “Nossas empresas estão se qualificando e adotando novas tecnologias para que isso não ocorra. O que precisamos agora é descobrir o responsável, que pode ser qualquer um na cadeia produtiva”, acrescentou.

O superintendente também esclareceu que agora é papel do Ministério da Justiça verificar a necessidade de um recall, pela Piá, dos produtos já vendidos nos lotes com ordem de recolhimento. Ele não soube explicar, porém, as razões para as análises da empresa não terem encontrado traços de álcool nos lotes de leite condenados pelo Mapa. “Pode ser que tenham feito esses exames em um volume maior de leite”, cogitou.

O que o Ministério da Agricultura divulgou

De acordo com a nota divulgada hoje pelo Ministério, a Superintendência Federal de Agricultura do Rio Grande do Sul determinou à Cooperativa Agropecuária Petrópolis, que fabrica o leite Piá, a recolher os lotes de leite UHT integral L02/2 e L2-3, produzidos em 26 de junho e com data de validade até 26 de outubro. A decisão, que também vale para o lote L2 de requeijão light (200g) fabricado em 30 de junho e com data de validade até 30 de setembro, ocorre depois que o posto de refrigeração de Vila Flores, que pertence à cooperativa, foi interditado pelo Serviço de Inspeção Federal, em 15 de julho, em razão da detecção de álcool etílico em uma amostra de leite cru refrigerado. A presença de álcool no leite é considerada fraude, já que mascara a adição de água.

Bookmark and Share

Fonte: Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.