Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 12/08/2014
  • 22:53
  • Atualização: 22:54

Furo em tanque esterilizador explica bactéria em Toddynho, relata fabricante à Anvisa

Órgão federal convocou a fabricante PepsiCo para reunião em Brasília, na manhã desta quarta

Furo em tanque esterilizador explica bactéria em Toddynho | Foto: Samantha Klein / Rádio Guaíba / CP

Furo em tanque esterilizador explica bactéria em Toddynho | Foto: Samantha Klein / Rádio Guaíba / CP

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária emitiu nesta terça-feira um comunicado esclarecendo ter convocado a fabricante PepsiCo, responsável pelo achocolatado Toddynho, para uma reunião em Brasília, às 9h desta quarta-feira. O órgão federal sustenta ter sido informado, por telefone, de que houve um ‘furo’ no tanque esterilizador durante a produção de um lote do produto, em 3 de junho, e que apesar de ter enviado para descarte a produção da véspera, do dia do acidente e da data seguinte, um dos lotes seguiu, por engano, para o mercado consumidor do Rio Grande do Sul. A empresaadmitiu que esse lote continha a bactéria Bacillus Cereus, que provoca intoxicação alimentar.

Pepsico confirma presença de bactéria em lote de Toddynho
Cerca de seis mil unidades de Toddynho sofreram alteração de qualidade, diz fabricante
Vigilância Sanitária do RS recolhe lote de Toddynho

A Anvisa revelou, ainda, que a ordem de recolhimento do lote, que partiu da Vigilância Sanitária Estadual, levou em conta duas denúncias recebidas de consumidores, um deles morador de Porto Alegre e o outro de Viamão, que detectaram alteração no sabor do produto e sentiram náuseas após o consumo. Já a empresa informou que houve registro de 20 reclamações para o Serviço de Atendimento ao Cliente, sendo seis relativas a sintomas gastrointestinais provocados pelo Toddynho.

Durante a tarde desta terça, a PepsiCo informou que cerca de sete mil unidades do achocolatado – de um total de 8,9 mil suspeitas de estarem contaminadas – seguem sendo comercializadas ou já foram compradas e até consumidas em território gaúcho.

A Coordenação Geral de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre foi informada do agente contaminador e que aproximadamente duas mil unidades foram recolhidas até agora. O lote sob suspeita é o GRU L15 (intervalo de 23:04 a 23:46), com validade até 29 de novembro 2014. O órgão, porém, não encontrou o produto com a adulteração na Capital.

A bactéria identificada é capaz de produzir dois tipos de toxinas, que não são eliminadas pelo processo UHT, de preparação da bebida. Uma delas provoca vômito e a outra diarreia. A bactéria, no entanto, não sobrevive. A Vigilância Municipal espera a análise no produto, que está sendo feita pelo Laboratório Central do Estado, sem prazo para ser entregue.

Bookmark and Share