Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
14º 24º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/08/2014 15:57 - Atualizado em 13/08/2014 16:02

"Morte de Eduardo de Campos é um desastre político", afirma Sartori

Candidato ao Governo do Estado suspendeu atividades de campanha por tempo indeterminado

José Ivo Sartori cancelou agenda da campanha<br /><b>Crédito: </b> Paulo Nunes / CP Memória
José Ivo Sartori cancelou agenda da campanha
Crédito: Paulo Nunes / CP Memória
José Ivo Sartori cancelou agenda da campanha
Crédito: Paulo Nunes / CP Memória

O candidato ao Governo do Estado pela coligação "O Novo Caminho para o Rio Grande", composta pelos partidos PSB, PMDB, PSD, PPS, PHS, PT do B, PSL, PSDC, José Ivo Sartori, concedeu entrevista coletiva para falar da morte de Eduardo Campos, ocorrida no final da manhã desta quarta-feira em Santos, no litoral paulista. Sartori anunciou que as atividades da sua campanha estão suspensas por tempo indeterminado.

“A nossa campanha está suspensa, em primeiro lugar, até que a gente se recupere. Em segundo, por essa tragédia que tirou a vida de uma pessoa jovem, mas que já mostrou sua capacidade política. Estávamos juntos nessa caminhada toda. Além do desastre e da perda de pessoas, é um desastre político. Era uma liderança nova, com perspectiva de mudanças que se apresentava como nova alternativa para o País. Tudo isso consterna a todos”, disse.

Questionado sobre o impacto que a morte de Eduardo Campos irá trazer à eleição, José Ivo Sartori disse que ainda não é o momento para fazer esse tipo de projeção. “Imagina agora a situação do PSB nacional e estadual, dos deputados, dos filiados e da nossa coligação. Isso é um baque extraordinário. Vamos ter que buscar forças e energia de mais uma vez dar um testemunho da nossa firmeza e convicção para encontrar uma saída política honrada. O Beto Albuquerque foi para casa porque estava muito abalado”, disse.

“A gente não pode nem dizer o que se pode ou não fazer. Temos que nos recolher e tentar superar essa dor. É muito cedo para especular sobre isso (futuro). Até mesmo em respeito às famílias e às mortes, seria até uma falta de sentimento cogitar alguma coisa nesse momento”, completou.

Bookmark and Share

Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.