Correio do Povo

Porto Alegre, 18 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
18º 25º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

14/08/2014 10:38 - Atualizado em 14/08/2014 11:05

Comitê recolhe material de campanha de Eduardo Campos

Colaboradores de candidato à Presidência vestiram preto em sinal de luto em Recife

Mais de 90% das nossas peças têm a foto de Eduardo
Crédito: Fernando Frazão / Agência Brasil / Divulgação / CP

O principal comitê de campanha do PSB no Recife amanheceu nesta quinta-feira com faixas pretas nos muros, em luto pela morte do candidato do partido à Presidência da República, Eduardo Campos, que morreu nessa quarta em acidente aéreo em Santos (SP). Os pouco colaboradores que foram ao local, no bairro Parnamirim, tinham semblante abatido e vestiam camisas pretas.

O coordenador de Infraestrutura do comitê, Gustavo Melo, informou que a campanha está suspensa por tempo indeterminado. “A campanha está parada, como se o exército perdesse o seu líder.” Ainda sem definição sobre o futura da chapa, correligionários foram orientados a recolher material de campanha com a foto de Eduardo Campos espalhado nas ruas da capital.

“Mais de 90% das nossas peças têm a foto de Eduardo. Tínhamos uma programação, um cronograma e tudo foi abortado. O momento agora não é de campanha. É de luto e tristeza. Está todo mundo abatido”, acrescentou Melo.

Nas ruas da capital pernambucana, o sentimento também é de tristeza e incredulidade. O vigilante Luiz Antônio Cândido disse que “ficou sem ação” com a tragédia. Segundo ele, a cidade praticamente parou depois da notícia do acidente. “Pernambuco parou. Não registrei nenhum carro. Hoje também está muito diferente do normal”, comentou o vigilante.

A vendedora autônoma Sunamita Rodrigues disse que a tristeza pela morte do ex-governador é semelhante ao sentimento da perda de um ente querido da família. “Não acompanho muito política, mas gostava muito dele. É um sentimento de profunda tristeza, como se um parente tivesse morrido”.

A doméstica Jacilda Lopes disse ainda não acreditar no ocorrido. “Estou muito triste. Eu vejo na televisão, mas ainda não acredito que essa tragédia aconteceu”.





Bookmark and Share


Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.