Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 14/08/2014
  • 13:52
  • Atualização: 13:58

Lewandowski defende recomposição salarial de juízes

Eleito nessa quarta-feira, ministro assumirá presidência do STF em setembro

À frente do STF, Lewandowski defende recomposição salarial de juízes | Foto: Nelson Jr./ SCO /STF

À frente do STF, Lewandowski defende recomposição salarial de juízes | Foto: Nelson Jr./ SCO /STF

  • Comentários
  • AE

No primeiro evento do qual participou como presidente eleito do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro
Ricardo Lewandowski defendeu a melhor remuneração dos juízes do País. Ao destacar os desafios da profissão em evento organizado pela Associação dos Magistrados Brasileiros, Lewandowski disse que atualmente existe uma "defasagem muito grande dada a espiral inflacionária".

Lewandowski contou que durante sua gestão à frente do Supremo pretende facilitar e permitir que os juízes tenham "todas as condições de melhorar a prestação jurisdicional". "Seja do ponto de vista de equipamento, do ponto de vista humano e também, por que não, uma remuneração condigna", completou o ministro, que saiu aplaudido por uma plateia de juízes que participavam de evento sobre Justiça restaurativa.

O ministro Lewandowski foi eleito nessa quarta-feira pelos colegas para assumir a presidência do STF. A posse deve ocorrer no início de setembro. Lewandowski é também vice-presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, disse acreditar em uma relação "republicana" da entidade com o atual presidente da Corte. A expectativa é de que as relações melhorem, na comparação com a gestão de Joaquim Barbosa. As entidades ligadas à magistratura acusavam Barbosa de não ouvir a categoria e assumir postura "isolacionista".

Diálogo
 

Lewandowski voltou a defender uma gestão pautada pelo diálogo entre o Judiciário e os demais poderes,
associações e sociedade em geral. O maior desafio à frente do STF, reiterou o ministro, será dar vazão rápida aos julgamentos de recursos extraordinários com repercussão geral, cerca de 600 atualmente.

O ministro defendeu também uma mudança na mentalidade dos magistrados para buscar meios alternativos de resolução de conflitos. "Não é mais possível que o judiciário mantenha sua postura tradicional. É preciso mudar a cultura da magistratura, parar com essa mentalidade de que todos os problemas sociais serão resolvidos mediante ajuizamento de processo", disse Lewandowski.


Bookmark and Share


TAGS » STF, Política