Porto Alegre, quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

  • 17/08/2014
  • 11:16
  • Atualização: 11:20

Manifestantes ignoram toque de recolher nos EUA após distúrbios em Ferguson

Morte de jovem negro por policial provocou onda de protestos

Manifestantes ignoram toque de recolher nos EUA após distúrbios em Ferguson | Foto: Scott Olson / AFP / CP

Manifestantes ignoram toque de recolher nos EUA após distúrbios em Ferguson | Foto: Scott Olson / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Cerca de 200 manifestantes não respeitaram o toque de recolher decretado durante a madrugada deste domingo, e sete foram detidos em Ferguson, nos Estados Unidos, palco há dias de distúrbios que se seguiram à morte a tiros de um jovem negro desarmado pelas mãos de um policial.

O governador do Missouri, Jay Nixon, havia justificado o toque de recolher a partir de meia-noite "para proteger as pessoas e a propriedade de Ferguson" e para dar vez à justiça a fim de esclarecer as circunstâncias da morte de Michael Brown. Pouco tempo depois do início da medida, cerca de 200 pessoas se reuniram na região em que Brown foi assassinado em 9 de agosto e se negaram a dispersar-se, segundo a imprensa local.

A polícia usou gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes, sem o registro de violência. Antonio French, um político local presente na manifestação, escreveu em seu Twitter: "Posso dizer em primeira mão que algumas das pessoas reunidas esta noite estavam armadas e prontas para brigar".

Sete pessoas que se recusaram a deixar o local foram detidas, segundo Ron Johnson, o novo chefe da polícia, encarregado de manter a ordem depois que agentes locais, acusados de abusos, foram substituídos.

No sábado, durante uma agitada coletiva de imprensa, capitão Ron Johnson afirmou que o toque de recolher começaria à noite e duraria de meia-noite às 5h locais (7h de Brasília). A declaração das medidas de emergência aconteceu depois de confrontos entre policiais e manifestantes, revoltados com a divulgação de um boletim policial. O texto sugeria que Michel Brown, morto em 9 de agosto, era um ladrão.

Bookmark and Share