Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 17/08/2014
  • 12:11
  • Atualização: 12:59

Quatro mil participam da Caminhada das Vitoriosas em Porto Alegre

Lema “A Cada Passo, uma vitória” celebrou 11ª edição do evento

  • Comentários
  • Cláudio Isaías / Correio do Povo

Com o lema “A Cada Passo, uma vitória”, o Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (Imama) realizou neste domingo a 11ª edição da Caminhada das Vitoriosas. O evento contou com a participação de cerca de quatro mil pessoas. A caminhada saiu do Parque Moinhos de Vento e seguiu até o Parque da Redenção com a participação de pacientes, familiares, amigos e voluntários do instituto. A presidente do Imama, Maira Caleffi, disse que o evento teve o objetivo de celebrar a vida. “Temos que ter orgulho de sermos vitoriosas. Quero agradecer aos familiares que ficam ao lado das mulheres em tratamento”, destacou.

De acordo com Maira, a luta do Imama é para que as mulheres consigam chegar mais cedo ao tratamento. “A caminhada além de celebrar a recuperação das pacientes que trataram o câncer, faz um alerta para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce”, acrescentou. Segundo a nutricionista Marli Marcon, de Porto Alegre, que foi diagnosticada com câncer de mama em 2009, disse que o evento celebrou a recuperação de mulheres que venceram a doença. “Participo das caminhadas desde 2011 e faço palestras no interior do Estado para mostrar que somos vencedoras”, explicou.

Conforme Maira Caleffi, a caminhada serviu para reivindicar que leis, como a Lei Federal 12.732, conhecida como a Lei dos 60 dias, sejam implementadas. A lei determina que a partir do diagnóstico de qualquer tipo de câncer, o paciente inicie o tratamento, em no máximo, dois meses. “O Rio Grande do Sul registra cinco mil novos casos da doença a cada ano”, ressaltou a médica mastologista.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), Porto Alegre segue líder entre as capitais brasileiras em casos de câncer de mama. Anualmente, cerca de mil mulheres morrem da doença no Rio Grande do Sul, e a expectativa é de que uma em cada sete gaúchas desenvolvam a doença em alguma fase da vida. Conforme o Inca, o câncer de mama é considerado um problema de saúde pública e a incidência da doença no mundo cresceu 20% na última década. Para 2030, a estimativa é de 27 milhões de novos caso de câncer no mundo. De acordo com o Inca, em 2014, serão diagnosticados 576 mil novos casos da doença no Brasil - incluindo o de pele não-melanoma. Deste total, 57.120 serão de câncer de mama em mulheres.

Bookmark and Share