Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 19/08/2014
  • 16:54
  • Atualização: 17:08

Negada assistência jurídica gratuita a advogado gaúcho acusado de golpe milionário

Gaúcho é apontado como líder de uma quadrilha que desviou R$ 100 milhões de clientes

Advogado declarou que não tinha condições de pagar o advogado e as custas do processo | Foto: Acacio Silva / Especial  CP

Advogado declarou que não tinha condições de pagar o advogado e as custas do processo | Foto: Acacio Silva / Especial CP

  • Comentários
  • Samuel Vettori / Rádio Guaíba

O judiciário negou os pedidos de assistência judiciária gratuita e isenção de custos processuais para o advogado Maurício Dal’Agnol. Apontado pela Polícia Federal como líder de uma quadrilha que desviou dos clientes mais de R$ 100 milhões, o advogado protocolou os pedidos na 3ª e na 5ª varas civis em Passo Fundo.

Advogado acusado de lesar 30 mil clientes se apresenta à Justiça em Passo Fundo
PF apreende mais de R$ 2 milhões em apartamento de advogado foragido
Decretada prisão preventiva de advogado suspeito de lesar 30 mil clientes
Quadrilha de advogados e contadores investigada por lesar 30 mil gaúchos


O argumento indicando que não tinha condições de arcar com os custos sem que isso comprometa o sustento dele e de familiares não convenceu os dois magistrados. Para os juízes dos casos, apesar de ter tido os bens bloqueados, ele pode, sim, fazer o pagamento. O valor das ações não foi informado, assim como não foram revelados os detalhes dos processos, já que estão em segredo de justiça. O custo com defensores depende do contrato entre o réu e o advogado escolhido por ele.

Dal’Agnol é suspeito de desviar valores em ações ganhas na Justiça contra uma empresa de telefonia. A autorização para exercer a profissão foi suspensa pela seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Ele ficou foragido até o dia 18 de junho, quando se apresentou à justiça beneficiado com decisão que impedia a prisão dele, desde que se comprometa a se apresentar duas vezes por semana ao Poder Judiciário.

A quadrilha da qual ele fazia parte foi presa em abril deste ano, quando a Policia Federal desencadeou a Operação Carmelina. O grupo formado por advogados e contadores pode ter lesado mais de 30 mil clientes no Rio Grande do Sul. A assistência judiciária gratuita é prevista em lei para atender pessoas carentes.

Bookmark and Share