Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

20/08/2014 17:48 - Atualizado em 20/08/2014 18:50

Rede Manlec entra em recuperação judicial

Com 38 lojas no Estado, empresa acumula um montante de cerca de R$ 100 milhões em dívidas

A rede de lojas Manlec entrou em recuperação judicial. A autorização da justiça gaúcha foi concedida na tarde desta quarta-feira após protocolo de pedido na última sexta-feira. A empresa acumula um montante de cerca de R$ 100 milhões em dívidas — R$ 57 milhões com bancos, R$ 39 milhões com fornecedores e R$ 9 milhões com funcionários. Na semana passada, mais de cem dos cerca de 600 funcionários da rede foram demitidos. “Diagnosticamos que a única forma de salvar a empresa era a recuperação judicial”, explicou o advogado contratado pela Manlec João Medeiros.

A empresa tem agora 60 dias para apresentar um plano de pagamento do passivo. Pelo período de seis meses, os credores não podem mover nenhum tipo de processo contra a empresa. “No diagnóstico, vamos apurar de que a maneira a empresa tem condições de saldar suas dívidas”, aponta Medeiros. As 38 lojas da rede permanecerão em funcionamento. “A empresa deve honrar os novos compromissos não inseridos na linha de corte desse processo judicial. As novas dívidas eventualmente contraídas devem ser arcadas normalmente como uma empresa normal em atividade.”

Os funcionários demitidos receberam o aviso-prévio no dia 12. A Manlec, no entanto, não efetuará o pagamento de parcelas rescisórias, segundo o Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre (Sindec).

O sindicato trabalha desde terça-feira para conseguir as homologações das demissões. “Pelo menos (os demitidos) poderão encaminhar o seguro-desemprego e sacar o FGTS”, aponta Cordeiro. O departamento jurídico do sindicato ingressará com uma ação judicial coletiva pedindo a antecipação da tutela para que os créditos trabalhistas sejam inscritos como prioritários. “Estamos tentando amenizar a situação dessas famílias da melhor forma.”

Bookmark and Share


Fonte: Fernanda Pugliero / Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.