Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

  • 21/08/2014
  • 14:03
  • Atualização: 14:16

"Houve mal entendido", diz Marina Silva sobre saída de Carlos Siqueira

Coordenador de campanha do PSB deixou o posto nesta quinta-feira

Para Marina Silva, mal entendido provocou saída de Carlos Siqueira  | Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / Divulgação /  CP

Para Marina Silva, mal entendido provocou saída de Carlos Siqueira | Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / Divulgação / CP

  • Comentários
  • AE

A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, classificou nesta quinta-feira de "mal entendido" as divergências que levaram à saída de Carlos Siqueira da coordenação geral da campanha. Marina relatou que disse aos dirigentes do partido, em uma reunião ontem, que o nome para a coordenação da campanha seria indicado pela cúpula socialista. "Eu não iria fazer interferência na coordenação já indicada pelo PSB", disse a ex-ministra. "Estamos diante de uma situação que tem um mal entendido e o próprio PSB precisa entender".

Ela disse que pediu que o comitê financeiro da candidatura fosse assumido por um de seus mais próximos aliados, Bazileu Margarido, e que o porta-voz da Rede, Walter Feldman, ficasse como coordenador de campanha adjunto. De acordo com relatos de pessoas presentes à reunião de ontem, Siqueira entendeu que, com o gesto, estava sendo afastado das funções pela agora candidata, confirmada ontem pela Executiva nacional do PSB.

Então coordenador da campanha, Carlos Siqueira deixou hoje o posto. Ao chegar na sede da legenda, em Brasília, ele disse que a campanha entra agora em uma nova fase e que ele ocupava o cargo quando o candidato era o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto na semana passada em um acidente aéreo. "Eu estava na coordenação de uma pessoa que era do meu partido e em quem eu tinha confiança", disse Siqueira, hoje, mais cedo. Marina não respondeu diretamente se o PSL estava de fato deixando a aliança e disse apenas que o partido não estava presente nesta reunião por "circunstâncias pessoais".

Marina repetiu hoje que os compromissos "programáticos" acertados pela aliança PSB-Rede, costurado por Campos, eram os compromissos da coligação. Ela citou bandeiras como o aumento de investimentos na área da saúde, a adoção do Passe Livre e a educação em tempo integral, além da melhora da infraestrutura brasileira. "Não faz sentido o Brasil perder 30% da sua produção agrícola por falta de infraestrutura", disse.

Bookmark and Share