Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
18º 29º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

22/08/2014 10:16 - Atualizado em 22/08/2014 10:39

Hamas executa 18 homens por colaborar com Israel

Mortes foram represália ao assassinado de três comandantes do braço armado

Mortes ocorreram em frente à mesquita e perto de sede da polícia<br /><b>Crédito: </b> STR / AFP / CP
Mortes ocorreram em frente à mesquita e perto de sede da polícia
Crédito: STR / AFP / CP
Mortes ocorreram em frente à mesquita e perto de sede da polícia
Crédito: STR / AFP / CP

Dezoito homens acusados de "colaboração" com Israel foram executados nesta sexta-feira na Faixa de Gaza, anunciou o canal de televisão do movimento islamita Hamas, que controla o território palestino. Seis deles foram executados diante de uma mesquita, no momento em que centenas de fiéis deixavam o local, por homens vestidos com o uniforme das Brigadas Ezedin al-Qasam, braço armado do Hamas, segundo testemunhas. Outros 11 foram executados perto da sede da polícia no centro de Gaza, informaram testemunhas e o site Majd, ligado ao Hamas. Mais um foi executado em uma praça próxima.

Essas execuções aconteceram um dia depois que três comandantes do braço armado do Hamas morreram em um bombardeio israelense contra um prédio de Rafah, sul da Faixa de Gaza. A "resistência", termo usado para designar os grupos armados que lutam contra Israel em Gaza, reforçaram a "luta no terreno contra a colaboração com o inimigo que comete assassinatos", afirma o site Majd.

Segundo o site, que cita sem dar nomes um dirigente da segurança em Gaza, a "resistência" realizou as execuções depois de "um procedimento judicial". "Todos os colaboracionistas serão julgados por tribunais revolucionários e receberão as penas previstas para este delito", afirmou esta fonte, referindo-se aos tribunais secretos criados pelos movimentos palestinos em Gaza.

Segundo a legislação palestina, os colaboradores, os assassinos e os traficantes de droga podem ser condenados à pena de morte. Teoricamente, as execuções devem ser aprovadas pelo presidente palestino Mahmud Abbas, que dirige a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) com a qual o Hamas assinou recentemente um acordo de reconciliação. Na prática, o Hamas é encarregado do tema.


Bookmark and Share



Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.