Correio do Povo

Porto Alegre, 16 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
11º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/08/2014 17:09

Jornalista dos EUA sequestrado na Síria é libertado após dois anos

Jovem tinha sido sequestrado pela Frente Al-Nosra, mas o fato vinha sendo mantido em sigilo

O secretário de Estado americano, John Kerry, anunciou neste domingo a libertação de Peter Theo Curtis, um cidadão americano que tinha sido sequestrado há dois anos por um grupo ligado à Al-Qaeda na Síria.

"Finalmente ele está voltando para casa", afirmou o secretário de Estado americano em um comunicado, confirmando a libertação de Theo Curtis, um pesquisador nascido em Massachusetts (nordeste dos EUA).

O jovem tinha sido sequestrado pela Frente Al-Nosra, mas o fato vinha sendo mantido em sigilo.

Curtis foi entregue a tropas de paz da ONU na aldeia de Al-Rafid, nas Colinas de Golã, depois de ter sido submetido a exames médicos.

Depois, ele foi deixado com representantes americanos, segundo as Nações Unidas.

A notícia da libertação de Curtis é anunciada menos de uma semana depois da exibição de um vídeo mostrando a decapitação do jornalista James Foley pelo Estado Islâmico.

"Particularmente depois de uma semana marcada por uma tragédia indescritível, nós estamos aliviados e gratos em saber que Theo Curtis está voltando para casa depois de tanto tempo em poder da Jabhat Al-Nosrah," afirmou Kerry, referindo-se à Frente Al-Nosra, um grupo islâmico rebelde que combate na Síria.

Kerry disse que os Estados Unidos tinham entrado em contato com mais de vinte países para tentar libertar Curtis e qualquer outro refém americano na Síria.

A conselheira de Segurança Nacional Susan Rice disse esperar que Curtis volte para a sua família em breve.
"Enquanto comemoramos a liberdade de Theo, voltamos nossos pensamentos e orações para os americanos que permanecem sequestrados na Síria", disse Rice.

Ao se referir à morte de Foley, ela disse que o assassinato "chocou a consciência do mundo" e ressaltou que os Estados Unidos "vão continuar a usar todos os meios à disposição até que todos os reféns americanos sejam libertados".
Bookmark and Share


Fonte: AFP





» Tags:Síria Mundo EUA

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.