Porto Alegre, sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

  • 26/08/2014
  • 10:24
  • Atualização: 11:47

Vídeo deve ajudar a provar participação de Leandro na morte de Bernardo

Delegada Caroline Bamberg afirma que pai também maltratava a criança

Gravação foi obtida após perícia no celular de Leandro, cujo resultado foi entregue à polícia na semana passada | Foto: André Ávila

Gravação foi obtida após perícia no celular de Leandro, cujo resultado foi entregue à polícia na semana passada | Foto: André Ávila

  • Comentários
  • Fernanda Pugliero / Correio do Povo

Um vídeo anexado ao inquérito do caso Bernardo, na semana passada, deve ser uma das cartas na manga da promotoria para comprovar a participação de Leandro Boldrini no crime. Ao chegar ao fórum de Três Passos na manhã desta terça-feira para participar da audiência de instrução do processo judicial, a delegada que investigou a morte do menino, Caroline Bamberg, revelou a existência da prova que reforçará a acusação. "O Leandro maltratava o guri também. O indiciamento não foi só por omissão. Ele foi um dos mentores do crime", afirmou.

Leia mais notícias sobre o caso Bernardo

Segunda Caroline, no vídeo gravado dentro da residência dos Boldrini, Bernardo conta que foi agredido. Na mesma gravação, Graciele (madastra) ainda faz ameças de morte a Bernardo na frente de Leandro. "Quando esse vídeo vier a público, a população vai saber como era a situação dentro da casa. O vídeo é bem revelador e demonstra o comportamento que ele (Leandro) tinha com o filho", disse a delegada. A gravação foi obtida após perícia no celular de Leandro, cujo resultado foi entregue à polícia na semana passada.

Relembre o caso:

Bernardo, de 11 anos, desapareceu em 4 de abril, em Três Passos, e teve o corpo encontrado na noite do dia 14, em Frederico Westphalen, dentro de um saco plástico e enterrado às margens de um rio. Edelvânia Wirganovicz, amiga da madrasta Graciele Ugulini, admitiu o crime e apontou o local onde a criança foi enterrada.

O pai do menino, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, e os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz foram denunciados pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica. O juiz de Três Passos transformou os quatro em réus, em 16 de maio.

A polícia sustenta a tese de que Graciele e Edelvânia executaram o homicídio usando doses do medicamento Midazolan – a madrasta porque entendia que o menino era um "estorvo" para o relacionamento entre ela e Leandro Boldrini, e Edelvânia em troca de dinheiro, para comprar um apartamento. Ainda segundo a polícia, Boldrini também teve participação na morte fornecendo o medicamento controlado em uma receita assinada por ele, na cor azul. Já Evandro se tornou o quarto réu do caso, pela suspeita de ter ajudado a fazer a cova onde o corpo do menino foi enterrado.

Bookmark and Share