Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

  • 27/08/2014
  • 18:25
  • Atualização: 18:47

Patrão de CTG que sediará uniões civis gays reforça segurança pessoal

Gilbert Gisler revelou ter recebido ameaças em seu gabinete, em Livramento

  • Comentários
  • Samuel Vettori / Rádio Guaíba

Com dois casais de mulheres, o casamento coletivo confirmado para setembro no CTG Sentinelas do Planalto, de Santana do Livramento, já rendeu ameaças ao patrão local. Gilbert Gisler comentou que não sai mais sozinho de casa e que reforçou a segurança no Centro de Tradições. Para ele, o preconceito só não é ainda maior porque os casais não são do sexo masculino. “Creio que as pessoas aceitam mais a homossexualidade feminina”, disse.

O casamento coletivo está marcado para o dia 13 do mês que vem. Ao todo 30 casais participarão, sendo que 14 deles casarão pilchados. As quatro mulheres homossexuais não manifestaram interesse em usar a roupa de prenda. A identidade dos casais não foi revelada.

Antes mesmo do cadastro, a possibilidade de o local receber um casamento gay para a celebração da união dividiu opiniões. Gisler, que é vereador, comentou que na Câmara do município a assessoria dele recebeu uma ligação o ameaçando em caso de manter a presença dos casais gays no casamento coletivo. O interlocutor falou em “dar um pau” no patrão do Centro de Tradições, “dar um jeito nessa juíza” (em referência à magistrada Carine Labres, que concordou com o local do evento) e, se necessário, colocar fogo no CTG.

Além do alarme e a contratação de uma empresa de segurança, ronda noturna passou a ser realizada no Centro de Tradições, que há cinco anos está inadimplente com o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). Por esse motivo, a direção da representação estadual sustenta que a unidade de Livramento não se trata de um CTG. Gisler disse não ter recebido nenhum ofício comunicando o desligamento durante esse período.

Bookmark and Share