Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

  • 28/08/2014
  • 09:57
  • Atualização: 10:20

Motoristas se irritam com manifestações em Porto Alegre

Protesto contra reintegração de posse causou congestionamento na avenida Assis Brasil

Motoristas se irritam com manifestações em Porto Alegre  | Foto: Brigada Militar / Divulgação / CP

Motoristas se irritam com manifestações em Porto Alegre | Foto: Brigada Militar / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

Os dois protestos contra reintegração de posse em Porto Alegre seguem causando transtornos no trânsito da Capital nesta quinta-feira. A situação mais conturbada é registrada na avenida Assis Brasil, na zona Norte, onde mais de 100 manifestantes dificultam o acesso à cidade. Irritados, alguns motoristas ameaçaram passar por cima do grupo que luta contra reintegração de posse e deseja uma reunião com o presidente do Tribunal de Justiça (TJ). O encontro já teria sido marcado para a próxima quarta-feira, às 16h, mas o bloqueio segue porque não há a confirmação da audiência com o desembargador José Aquino Flôres de Camargo.

Apesar do bloqueio, os manifestantes liberam as vias por cerca de cinco minutos para a passagem dos veículos. Mesmo assim, um princípio de confusão foi registrado na avenida Assis Brasil, quando um motorista que está preso no trânsito desceu do carro e foi tirar satisfação com os manifestantes. Ele se apresentou como policial e procurou saber o motivo do protesto.

O congestionamento atinge a freeway, na saída de Porto Alegre, e vai desde o entroncamento com a BR 116 até a divisa com Cachoeirinha. No sentido de acesso à Capital, o problema semelhante, onde o trânsito está parado desde a ERS 010, dentro de Cachoeirinha, passando pela BR 290 até a avenida Castelo Branco.

O representante de uma das 27 ocupações de Porto Alegre Pablo Lipert explicou que o objetivo é conseguir um prazo de três meses para a saída dos moradores das regiões ocupadas. "Nós queremos também a criação de uma vara especial para conflitos urbanos. O pessoal está organizado para buscar isso. Não adianta um juiz de 1ª grau sair dando liminar para todos sem nem conhecer a matéria ou sem conhecer o processo. Isso envolve milhares de pessoas", relatou Lipert, mora no Parque dos Maias. 

Lipert comentou ainda que alguns juízes já despacharam multa para a Brigada Militar (BM) pelo não cumprimento da reintegração de posse. "Isso não pode acontecer. O nosso último recurso é colocar as pessoas na rua e fazer uma manifestação pacífica. Aguardamos apenas uma ligação do advogado confirmando a audiência com o presidente do Tribunal de Justiça", acrescentou.   

Enquanto a manifestação bloqueia a avenida Assis Brasil, um segundo protesto ocorre na avenida Borges de Medeiros, em frente à sede do Tribunal de Justiça. Três representantes dos manifestantes se reuniram com o vice-presidente do TJ, desembargador Francisco Moesh, para confirmar a data da audiência com presidente do órgão, José Aquino Flôres de Camargo.

Bookmark and Share