Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

  • 28/08/2014
  • 20:14
  • Atualização: 21:27

Polícia investiga possível morte por envenenamento

Mecânico comeu bombom enviados pelo Correio à irmã de um colega

Bombons foram enviados pelo Correio à irmã de um colega do mecânico | Foto: Benhur Santin/Especial CP

Bombons foram enviados pelo Correio à irmã de um colega do mecânico | Foto: Benhur Santin/Especial CP

  • Comentários
  • José Ody / Correio do Povo

A Delegacia de Polícia da Mulher de Erechim está investigando a morte de Álvaro Duarte, 42 anos, residente em Viadutos, a 30 quilômetros de Erechim, ocasionada supostamente por envenenamento. A vítima teria consumido no início da tarde desta quinta-feira um bombom endereçado à irmã de um colega seu de trabalho e logo começou a passar mal. Levado primeiramente ao Hospital Nossa Senhora da Pompéia, de Viadutos, a situação se agravou rapidamente. Ele então foi transferido para o Hospital de Caridade de Erechim (HC) onde faleceu à tarde.

Tudo começou quando Fabrício Passarini retirou na agência do Correio de Telégrafos de Viadutos uma encomenda endereçada à sua irmã, Cátia, que reside com ele, mas trabalha durante o dia em Erechim. Fabrício levou a encomenda para seu trabalho em uma mecânica da cidade. Ele então decidiu abrir o pacote que teria no seu interior nove bombons, segundo informações da Brigada Militar de Viadutos. Fabrício então teria consumido dois chocolates e dois colegas de trabalho, Jocimar Bettio e Álvaro Duarte, consumiram um bombom cada um.

A BM não soube precisar, mas apurou que minutos depois Álvaro Duarte começou a passar mal, o mesmo ocorreu com os colegas. Álvaro foi levado por volta das 14h30min ao Hospital Pompéia, de Viadutos, e como o caso agravou-se rapidamente, ele foi transferido para o HC de Erechim. No deslocamento teria sofrido ao menos uma parada cardíaca. Deu entrada no hospital e foi levado para a UTI onde faleceu antes do fim da tarde.

Segundo a BM as primeiras informações colhidas ainda no hospital de Viadutos apontavam para um suposto caso de envenenamento. Fabrício Passarini, irmão de Cátia, para quem a encomenda foi enviada, também passou mal. Ele foi atendido em Viadutos e depois transferido para o Hospital Santa Terezinha, em Erechim. Jocimar Bettio foi atendido em Viadutos e liberado, segundo a BM.

A Brigada Militar de Viadutos disse que a encomenda para Cátia Passarini teria sido postada na última segunda-feira em uma agência dos Correios e Telégrafos de um bairro de Erechim. Há um nome do remetente do pacote, mas a própria BM acredita que pode ser um nome fictício. O caso está com a Delegacia da Mulher de Erechim. A causa oficial da morte de Álvaro Duarte só será confirmada após necropsia a ser realizada em Erechim. A vítima tinha 42 anos, era casado e deixa três filhos.

Bookmark and Share