Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

  • 29/08/2014
  • 17:11

Crocodilo gigante é capturado em Miami

Animal de 3,7 metros e 140 quilos mordeu duas pessoas que entraram no canal em que ele vivia

  • Comentários
  • AFP

A perseguição a um enorme crocodilo que mordeu duas pessoas em Miami terminou nesta sexta-feira com sua captura e morte, após vários dias em que o animal de quase quatro metros recebeu a ajuda de vizinhos. As autoridades acreditam que o crocodilo capturado seja "Pancho", como era conhecido o animal no bairro de Gables, no sudoeste de Miami, onde vivia nos canais.

"Acreditamos que seja o crocodilo que estávamos procurando", disse um porta-voz da Comissão de Conservação da Pesca e Vida Silvestre da Flórida (FWC, por sua sigla em inglês), George Pino.

O animal, de 3,7 metros de comprimento e 140 quilos, morreu logo após ser capturado, segundo Pino. Vários caçadores e as autoridades estavam atrás de Pancho, que no domingo mordeu duas pessoas que entraram no canal em que vivia. A imprensa local indicou que este teria sido o primeiro ataque de um crocodilo a um humano na Flórida.

Mas, aparentemente, Pancho tentava apenas defender o seu território: o casal imprudente, sob a influência de álcool, entrou em um santuário dos crocodilos em plena madrugada, momento em que estes animais são mais ativos.

"É o crocodilo mais procurado da Flórida", havia dito nos últimos dias um dos caçadores, Todd Hardwick.

A perseguição encontrou obstáculos graças a cumplicidade de alguns vizinhos que, acostumados a ver Pancho e outros crocodilos como "Snaggletooth" e "Streetwalker" nos canais, colocavam música alta para assustar os animais quando percebiam a aproximação de caçadores.

"Este era o seu habitat antes de nós. Tem o direito de estar aqui", declarou um vizinho ao jornal Miami Herald.

Mas Pancho não era popular entre os vizinhos. Alguns o culpavam pelo desaparecimento de cães na área. Pancho era um dos quase dois mil crocodilos americanos que vivem na Flórida. Seus primos, os aligators e jacarés são muito mais comuns (sua população é de cerca de 1,3 milhão) e agressivos: cerca de seis mordidas a humanos são registradas anualmente.

Bookmark and Share