Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 01/09/2014
  • 18:39
  • Atualização: 17:01

Idosa investigada por morte de assaltante é intimada para prestar depoimento

Mulher de 77 anos matou assaltante na noite de sábado em São Lourenço do Sul

Mulher de 77 anos matou assaltante na noite de sábado em São Lourenço do Sul | Foto: David Baini / O Lourenciano / CP

Mulher de 77 anos matou assaltante na noite de sábado em São Lourenço do Sul | Foto: David Baini / O Lourenciano / CP

  • Comentários
  • Samuel Vettori / Rádio Guaíba

Ficou para a tarde desta terça-feira o depoimento da idosa investigada pela Polícia no inquérito aberto para apurar o assalto com morte do autor do crime em São Lourenço do Sul, no fim de semana. Ela já foi intimada para comparecer à delegacia do município. A mulher, de 77 anos, baleou o jovem que anunciou o crime. Ela já admitiu o crime, informalmente, à Polícia. A investigação não identificou a arma como sendo registrada.

O caso ocorreu na noite de sábado, por volta das 21h30min. A idosa reagiu e disparou duas vezes, acertando Jhonatan Silveira Ferreira, de 24 anos, ferido no peito e no pescoço. Socorrido, ele não resistiu. A delegada Paula Vieira disse ainda não ter decidido se vai ou não indiciar a mulher por homicídio. Os indícios são de que houve legítima defesa, confirmou. Uma das possibilidades é de que a mulher seja responsabilizada pela morte e que a hipótese de atirar para se defender só seja apresentada no Judiciário. Outra hipótese é de que não ocorra a responsabilização.

O jovem morto não possuía antecedentes criminais, mas a Polícia suspeita que ele seja usuário de drogas. Depois do crime, a idosa foi encaminhada, em estado de choque, para atendimento médico. A procedência do revólver calibre .38 usado para efetuar os disparos é um dos pontos a ser investigados. O registro não foi encontrado no sistema nacional de cadastro de armas.

Caso semelhante ocorreu em Caxias do Sul, em 2012. Odete Hoffmann, de 88 anos, atirou em um assaltante que invadiu a casa dela. A idosa assumiu a autoria dos disparos. No entanto, o laudo do exame residuográfico não indicou presença de pólvora na pele da mulher. O inquérito policial que apurou as circunstâncias da morte do homem foi arquivado.

Bookmark and Share