Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
13º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/09/2014 15:51 - Atualizado em 03/09/2014 16:30

Epidemia de ebola matou mais de 1.900 pessoas

Número de mortes desde que o vírus apareceu em 76 supera o de todos os surtos anteriores

De acordo com a OMS, existe mais de 3.500 casos confirmados <br /><b>Crédito: </b> Dominique Faget / AFP / CP
De acordo com a OMS, existe mais de 3.500 casos confirmados
Crédito: Dominique Faget / AFP / CP
De acordo com a OMS, existe mais de 3.500 casos confirmados
Crédito: Dominique Faget / AFP / CP

A epidemia de ebola que assola o oeste da África já deixou mais de 1.900 mortos de um total de 3.500 casos confirmados, indicou nesta quarta-feira em Washington a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan. 

Este último balanço representa uma forte aceleração na mortalidade. Na semana passada, a OMS relatou 1.552 mortes de 3.069 casos confirmados. O número de mortos nesta epidemia sem precedentes desde que o vírus apareceu em 1976, supera o total de mortes em todos os surtos anteriores.

Falando durante uma coletiva de imprensa, Margaret Chan também manifestou esperança de que a transmissão seja  contida em um prazo de entre seis e nove meses, graças à resposta internacional. Citando o roteiro da OMS divulgado na semana passada para combater esta epidemia, ela explicou que "nos três países onde o surto de ebola é mais intenso (Guiné, Libéria e Serra Leoa) a organização internacional quer reverter a tendência de infecção dentro de três meses".

"Com uma resposta internacional coordenada, com a mobilização de recursos e com a chegada de especialistas, esperamos qualquer toda transmissão dentro de seis a nove meses", acrescentou. Quanto ao Senegal e à República Democrática do Congo, que enfrentam casos isolados de ebola, "queremos conter a transmissão localizada dentro de oito semanas", disse Chan. Esses casos não têm ligação com a violenta epidemia que atinge os três países do oeste africano e, em menor medida, a Nigéria.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.