Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

  • 09/05/2017
  • 12:26
  • Atualização: 12:54

Prefeitura de cidade baiana distribui mochilas "gigantes" para alunos

Cerca de 18 mil alunos da rede pública foram beneficiados com o utensílio escolar

Cerca de 18 mil alunos da rede pública foram beneficiados com o utensílio escolar | Foto: Prefeitura de Jequié / Divulgação / CP

Cerca de 18 mil alunos da rede pública foram beneficiados com o utensílio escolar | Foto: Prefeitura de Jequié / Divulgação / CP

  • Comentários
  • AE

As mochilas distribuídas pela prefeitura de Jequié, cidade do Sudoeste da Bahia a 356 quilômetros de Salvador, se tornaram notícia e estão virando alvo de piadas nas redes sociais. O tamanho dos utensílios, distribuídos aos alunos da rede pública de ensino, chama a atenção por serem quase do mesmo tamanho dos estudantes. Há, inclusive, uma foto na qual uma criança sorri para a câmera de dentro de uma das mochilas.

As mochilas começaram a ser entregues nesta sexta-feira aos quase 18 mil alunos da rede pública municipal e fazem parte de uma série de investimentos na educação da cidade, segundo informa o site da prefeitura do município baiano. Além das mochilas, as crianças receberam estojo, caneta e borracha.

Na página da prefeitura no Facebook, os comentários ora criticavam, ora louvavam a atitude do Executivo municipal. "Tem gente rindo do tamanho da mochila? Só se for pra rir de alegria! Aplausos pra Jequié!", escreveu uma pessoa. Já um internauta reprovou as mochilas. "As crianças ficaram igual umas tartarugas", escreveu.

A prefeitura municipal de Jequié divulgou em seu site uma nota de esclarecimento sobre a polêmica do tamanho das mochilas. Em nota, assinada pela Secretaria Municipal de Educação, é apresentado índices de relatórios que apresentam a baixa adesão a escolas da cidade. Ao apresentar estas informações, a prefeitura questiona sobre a relevância dos tamanhos das mochilas.

"Acreditamos que crianças de creche, tradicionalmente, não podem e não devem carregar suas mochilas que às vezes contém roupa, toalha, fralda, merenda, etc. Ou será que estas pessoas querem afirmar que os pais de hoje não estão servindo nem pra carregar a mochila de seus filhos?", questiona o esclarecimento da prefeitura.

Confira a íntegra da nota

"O evento das mochilas escolares distribuídas aos alunos da rede municipal de ensino de Jequié, tão comentado na imprensa e nas redes sociais, deixa para trás desafios importantes que o próprio município terá pela frente. Os relatórios contendo os péssimos índices herdados na Educação local, que envolvem baixa matrícula, baixo IDEB, baixo IOEB e mais sério ainda: a baixa proficiência dos alunos da rede municipal de ensino.

A tarefa de recuperar estes índices começou com o aumento significativo de matrículas na rede. Mais de 4 mil novos alunos matriculados, saindo de 13 mil para mais de 17 mil novos alunos, e que precisará de uma força tarefa que envolva toda a sociedade de Jequié para melhorar os péssimos índices deixados pelas gestões anteriores. Só no IOEB (Índice de Oportunidade da Educação Brasileira), com nota 3,2, Jequié amarga o 4978° lugar entre os 5.500 municípios do Brasil. Sem contar o IDEB de 3,2 nas séries iniciais e 2,9 nas séries finais. Triste ter que afirmar que a proficiência do 9° ano em Matemática dos alunos de Jequié é de apenas 5%.

Voltando ao tamanho da sacola, se é que alguns acham isso o mais importante, segundo o Ministério da Saúde, uma criança não pode carregar mais que 10% do seu peso. Sendo assim, parece que não tem como entregar a uma criança de creche uma mochila com tamanho ideal. Acreditamos que crianças de creche, tradicionalmente, não podem e não devem carregar suas mochilas que às vezes contém roupa, toalha, fralda, merenda, etc. Ou será que estas pessoas querem afirmar que os pais de hoje não estão servindo nem pra carregar a mochila de seus filhos? Pela utilidade de uso, as mochilas compradas pelo município, ao valor de R$ 11,40, parece que o quesito economicidade e contemplação ficaram de lado, dando espaço a outros interesses."


TAGS » Ensino, Bahia