Porto Alegre

16ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 19 de Novembro de 2017

  • 20/04/2017
  • 14:51
  • Atualização: 15:02

Abrigos da Fasc estão sem cozinheiros por falta de pagamentos

Empresa terceirizada alega que não recebe desde novembro de 2016

Abrigo municipal Marlene, no Menino Deus, está sem cozinheiro | Foto: Guilherme Testa

Abrigo municipal Marlene, no Menino Deus, está sem cozinheiro | Foto: Guilherme Testa

  • Comentários
  • Cláudio Isaías

Os abrigos da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) estão sem cozinheiros devido aos atrasos no pagamento dos salários dos trabalhadores de uma empresa terceirizada responsável pela preparação das refeições. A comida nos abrigos municipais vem sendo realizada pelos servidores da instituição.

O diretor de comunicação do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Ivam Martins, informou que os funcionários dos abrigos municipais Bom Jesus na rua São Domingos, no bairro Bom Jesus, Marlene, na avenida Getúlio Vargas, no bairro Menino Deus, e municipal na rua Comendador Azevedo, no bairro Floresta, estão preparando a comida dos moradores e das pessoas em situação de rua que procuram as instituições.

Além disso, segundo Martins, o problema também acontece na Casa de Convivência, na rua João Alfredo, no bairro Cidade Baixa. Segundo ele, a empresa FA, responsável pela realização da comida, informou que a Fasc não realiza os pagamentos desde novembro do ano passado. Em razão disto, o pagamento de um total de 24 trabalhadores entre cozinheiros e auxiliares foi suspenso.

Sobre o pagamento da empresa terceirizada que presta serviço de cozinha (cozinheiras e auxiliares), a Fasc informou que a empresa entregou no dia 18 de abril, a documentação que estava pendente na Secretaria Municipal da Fazenda para efetuação do pagamento. Com a documentação atualizada e de acordo com a legislação vigente, a Fasc efetuou o pagamento relativo ao mês de janeiro.

Ainda assim, a empresa não retornou a normalidade dos serviços e a Fasc busca medidas alternativas para minimizar os efeitos do não atendimento. A Fasc disse que espera que a empresa retorne a normalidade das atividades o mais breve possível. A regularização do serviço será anunciada nos próximos dias pelo presidente da Fasc, Solimar Amaro.