Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

  • 11/10/2017
  • 11:00
  • Atualização: 11:24

Autoridades negociam retirada de civis antes da ofensiva final na Síria

ONU calcula que 8 mil civis permanecem na cidade considerada capital do Estado Islâmico

ONU calcula que 8.000 civis permanecem na cidade considerada capital do Estado Islâmico | Foto: Hamza Al-Ajweh / AFP / CP

ONU calcula que 8.000 civis permanecem na cidade considerada capital do Estado Islâmico | Foto: Hamza Al-Ajweh / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Autoridades locais e tribais negociam a saída de milhares de civis da cidade síria de Raqqa antes da ofensiva final das Forças Democráticas Sírias (FDS), que já controlam 90% da "capital" do grupo Estado Islâmico (EI). "O conselho civil de Raqa iniciou negociações para determinar a melhor forma de permitir que os civis presos entre os combatentes do Daesh (acrônimo árabe do EI) abandonem a cidade", afirmaram as FDS em um comunicado.

Este conselho é um Executivo local no exílio, instalado ao norte de Raqqa. As FDS, uma aliança curdo-árabe apoiada pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, afirmaram, no entanto, que os que abandonarem Raqa depois de lutarem pelo EI serão entregues às autoridades locais e levados à justiça.

A ONU (Organização das Nações Unidas) calcula que 8 mil civis permanecem na cidade de Raqqa. As FDS afirmam que alguns deles estão sendo utilizados como escudos humanos pelos combatentes do EI.  De acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que tem uma ampla rede de fontes na no país, as negociações também abordam a maneira de permitir que os jihadistas se entreguem e que suas famílias abandonem Raqqa.  "As negociações abordam uma saída dos combatentes do Daesh (...) e a possibilidade de que suas famílias possam seguir para Albu Kamal, leste da província de Deir Ezzor", declarou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.  A cidade síria de Albu Kamal, perto da fronteira com o Iraque, permanece sob controle do EI.

Esta não é a primeira tentativa de negociar um acordo de retirada de combatentes do EI de alguns territórios. Em maio, dezenas de jihadistas conseguiram deixar a cidade de Tabqa, ao oeste de Raqqa, antes da entrada das FDS.  Outro acordo, sem o envolvimento de nenhuma força apoiada pela coalizão internacional, permitiu que jihadistas entrincheirados em uma zona situada entre Líbano e Síria seguissem para o leste da Síria, o que provocou críticas de americanos e iraquianos.

Na terça-feira, o general Jonathan Braga, diretor das operações da coalizão internacional, justificou as negociações ao afirmar que suas tropas tinham "a responsabilidade de vencer o Daesh preservando na medida do possível a vida dos civis". Os habitantes da cidade setentrional sofrem as consequências da ofensiva contra os jihadistas. Segundo o OSDH, os bombardeios da coalizão provocaram centenas de mortes entre os civis.

As FDS calculam que entre 600 e 700 combatentes do EI continuam ativos em Raqqa, de onde vários deles tentaram sair na terça-feira, segundo uma fonte da aliança.