Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

  • 12/01/2018
  • 13:11

Senador democrata diz que Trump falou várias vezes "países de m...."

Presidente americano se defendeu afirmando não ter sido essa a "linguagem usada"

Presidente americano se defendeu afirmando não ter sido essa a

Presidente americano se defendeu afirmando não ter sido essa a "linguagem usada" | Foto: Jim Watson / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O presidente Donald Trump se referiu repetidamente a "países de merda" durante uma reunião na quinta-feira na Casa Branca para discutir a questão da imigração, afirmou nesta segunda-feira o senador democrata Dick Durbin, que estava presente no encontro.

"O presidente tuitou esta manhã negando que utilizou essas palavras. Não é verdade. Ele disse essas coisas cheias de ódio, e as disse repetidamente. Fez essas declarações vis e vulgares, chamando essas nações de países de merda", afirmou Durbin à rede MSNBC. No Twitter, Trump deu a entender que não descreveu nações africanas e outras nações como "países de merda". "Essa não foi a linguagem usada", afirmou.

Em um segundo tuíte, assegurou que nunca disse algo depreciativo sobre o Haiti. "Nunca disse qualquer coisa depreciativa sobre os haitianos, além de dizer que o Haiti é, obviamente, um país muito pobre e com muitos problemas", escreveu Trump.

O chefe de Estado se reuniu na quinta-feira com senadores e legisladores na Casa Branca para falar sobre uma proposta bipartidária que limitaria a reunificação familiar e o chamado programa "sorteio de vistos", em troca de evitar que centenas de milhares de jovens em situação irregular sejam deportados.

"Por que todas essas pessoas de países de merda vêm para cá?", perguntou Trump, segundo relataram fontes ao jornal The Washington Post. O jornal The New York Times noticiou a mesma informação, citando pessoas próximas ao encontro.

O presidente se referia cidadãos do Haiti, do El Salvador e de países africanos. Ele sugeriu, ao mesmo tempo, que os Estados Unidos deveriam receber imigrantes de lugares como Noruega, país com cuja primeira-ministra se reuniu na quarta-feira.