Correio do Povo | Notícias | Suspeito de matar gaúcha em Florianópolis é morto em confronto com a PM

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de Abril de 2018

  • 13/04/2018
  • 10:53
  • Atualização: 10:59

Suspeito de matar gaúcha em Florianópolis é morto em confronto com a PM

Jovem assassinou Daniela Scotto de Oliveira Soares, de 38 anos, no Réveillon de 2017

Daniela Scotto de Oliveira Soares, de 38 anos | Foto: Arquivo pessoal / Reprodução / CP

Daniela Scotto de Oliveira Soares, de 38 anos | Foto: Arquivo pessoal / Reprodução / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Um jovem, de 18 anos, suspeito de matar a gaúcha Daniela Scotto de Oliveira Soares, de 38 anos, no Réveillon de 2017, em Florianópolis, foi morto pela Polícia Militar de Santa Catarina durante confronto nesta sexta-feira. Ele e um comparsa teriam atirado contra os policiais que revidaram o ataque. As informações são do jornal Notícias do Dia.

Um imóvel abandonado estava sendo verificado por dois policiais militares quando foram surpreendidos por dois homens armados que atiraram contra eles. No confronto, um dos bandidos foi atingido enquanto o cúmplice fugiu do local. Atendido por uma equipe do Samu, o criminoso baleado acabou morrendo dentro da ambulância. Uma pistola calibre 9 milímetros foi apreendida com o ladrão. Ele foi identificado como o autor do tiro que matou Daniela.

A gaúcha era professora de yoga e residia em Porto Alegre. Ela e o marido, Felipe Augusto Soares, viajaram para Santa Catarina para festejar o Réveillon na casa de familiares. Eles passaram a virada no bairro Vargem Grande e, em vez de seguir para o bairro Estreito, cruzaram a localidade conhecida como Servidão Braulina Machado.

O marido de Daniela contou que a família viu três jovens, um deles segurando um espumante, o outro um copo colorido, e o terceiro carregando uma pistola. Segundo ele, só a mulher notou esse terceiro, mas falou com serenidade, sem pedir para acelerar. Foi quando Felipe relata ter ouvido o estampido, os estilhaços e visto a esposa caída. A professora chegou a ser socorrida até a UPA de Canasvieiras, mas chegou sem vida.

Na época, o criminoso era menor de idade e apresentou-se na Polícia Civil, alegando em depoimento que a arma utilizada por ele na ocasião havia disparado sozinha e que acreditou que a Hyundai Tucson onde estava a vítima seria de uma facção rival.