Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

  • 16/06/2017
  • 21:56
  • Atualização: 22:05

Antonio Palocci atribui pagamento ilegal a Guido Mantega

Ex-ministro salientou que repasses da Odebrecht ocorreram para "partido" e não pessoas

Essa atribuição ao ex-marqueteiro consta das alegações finais apresentadas à Justiça Federal em Curitiba | Foto: Evaristo Sá / AFP / CP Memória

Essa atribuição ao ex-marqueteiro consta das alegações finais apresentadas à Justiça Federal em Curitiba | Foto: Evaristo Sá / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • AE

A defesa de Antonio Palocci, ex-ministro dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, relacionou o também ex-ministro Guido Mantega aos pagamentos ilegais da Odebrecht em conta na Suíça dos ex-marqueteiros do PT João Santana e Mônica Moura. Essa atribuição a Mantega consta das alegações finais apresentadas à Justiça Federal em Curitiba, onde Palocci está preso desde setembro do ano passado na Lava Jato por ordem do juiz Sérgio Moro. A defesa também pede a absolvição.

A defesa de Palocci não cita nominalmente, porém, os advogados de Palocci destacam trechos do depoimento de Marcelo Odebrecht que atribuem a Mantega a gestão dos pagamentos ao PT após julho de 2011. "Importante ressaltar que os valores constantes da planilha 'Italiano' não eram destinados ao acusado, mas, sim, ao Partido, de forma que, após Antonio Palocci deixar o governo, o montante passou a ser gerido por terceira pessoa, como resta claro do interrogatório de Marcelo Odebrecht." Essa terceira pessoa seria Mantega, sugerem as alegações finais da defesa.

O documento aponta uma frase do depoimento de Marcelo que cita o nome de Mantega. "Quem autorizava os pagamentos era no início Palocci e depois, a partir de meados de 2011, o Guido." No governo Dilma, Palocci deixou o Ministério da Casa Civil em junho de 2011. O Estado não conseguiu entrar em contato com a defesa de Mantega para comentar as alegações dos advogados de Palocci.