Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 19 de Novembro de 2017

  • 13/09/2017
  • 17:39
  • Atualização: 17:42

Joesley e Saud pedem liberdade ao Supremo

Prisão temporária de ambos vence nesta quinta-feira

Defesa pediu liberação de Joesley ao Supremo | Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil / CP

Defesa pediu liberação de Joesley ao Supremo | Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

 A defesa do empresário Joesley Batista e do ex-executivo da JBS Ricardo Saud pediu nesta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) a concessão de liberdade aos acusados. A prisão temporária de ambos, decretada por cinco dias, na semana passada, pelo ministro Edson Fachin, vence nesta quinta-feira.

Na petição, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, se antecipou ao provável pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para que a prisão seja decretada por tempo indeterminado, e refirmou que os acusados jamais cooptaram o ex-procurador da República Marcello Miller para atuar a favor da JBS e que não omitiram informações da PGR.

"Demonstrada, enfim, a absoluta ausência de indícios de ocultação de provas, cuja plausibilidade é presunção meramente hipotética, aguarda a defesa que os requerentes sejam colocados em liberdade, quando findo o prazo de 5 (cinco) dias, permanecendo até lá e sempre à plena disposição desta Colenda Corte, bem como das autoridades investigativas, no fiel cumprimento dos termos do acordo de colaboração", argumentou o advogado.

Joesley e Saud estão presos na Superintendência da PF em celas separadas, de 9 metros quadrados cada. Eles podem ser transferidos para o Complexo Penitenciário da Papuda caso a detenção seja convertida em prisão preventiva nos próximos dias.

Os dois se entregaram à PF depois que o ministro Edson Fachin aceitou o pedido de prisão temporária feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após a divulgação de um áudio de quatro horas de diálogo entre ambos que, de acordo com a PGR, aponta que eles omitiram informações durante o acordo de delação premiada.