Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 24 de Outubro de 2017

  • 31/05/2017
  • 13:10
  • Atualização: 13:19

Ex-chefe da Agricultura em Goiás é alvo da segunda fase da Carne Fraca

Segundo PF, agente público foi flagrado destruindo provas de esquema de corrupção envolvendo empresas

Operação

Operação "Antídoto" investiga corrupção entre empresas e Ministério da Agricultura | Foto: Vanderlei Almeida / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira a operação Antídoto, segunda fase da Carne Fraca, cujo alvo principal é um ex-Superintendente Regional do Ministério da Agricultura, réu por supostamente integrar esquemas de corrupção envolvendo empresa do setor de alimentos e a pasta. O agente público foi flagrado destruindo provas por meio de grampos autorizados pela Justiça, segundo a PF.

Leia mais sobre a Operação Carne Fraca

De acordo com a PF, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva no estado de Goiás. A ação policial, de acordo com a corporação, tem como alvo principal a investigação do ex-Superintendente Regional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Estado de Goiás. Segundo as apurações, o investigado foi flagrado em interceptações telefônicas destruindo provas relevantes para a apuração no contexto da Operação Carne Fraca.

O ex-superintendente é réu por ter participado de esquema de corrupção entre grande empresa do ramo alimentício e o ex-chefe do Serviço de Inspeção em Produtos de Origem Animal - Goiás (SIPOA/GO) para impedir a interdição do funcionamento da mesma, em virtude de fiscalização lá ocorrida.

O nome da fase (Antídoto), de acordo com a PF, é uma referência a uma ação policial colocada em prática com o objetivo de fazer cessar a ação criminosa do investigado e preservar eventuais novas provas. A PF afirma que os investigados responderão pela prática dos crimes obstrução de investigação criminal, além de outros crimes já identificados nos autos.

O preso será trazido para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerá a disposição do juízo da 14ª Vara Federal da capital.