Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 27 de Maio de 2017

  • 16/05/2017
  • 16:03
  • Atualização: 16:06

Jogos do Rio 2016 têm prejuízo de R$ 132 milhões

Para explicar o buraco, os organizadores culpam os governos

Para explicar o buraco, os organizadores culpam os governos | Foto: François Xavier / AFP / CP Memória

Para explicar o buraco, os organizadores culpam os governos | Foto: François Xavier / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • AE

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deram prejuízos e, contrariando o discurso que mantiveram por anos, os executivos responsáveis pela organização do evento em agosto do ano passado alegam que sempre precisaram de ajuda pública e que o rombo gerado é culpa da prefeitura e do governo federal. Dados das demonstrações contábeis do Comitê Rio 2016 e auditoria independente revelam que, ao final de 2016, a entidade registrava um déficit de R$ 132 milhões.

O informe foi aprovado pela direção da entidade em fevereiro deste ano e indica que, até o dia 31 de dezembro de 2016, "existia um passivo descoberto de R$ 132 milhões". A entidade não deixa dúvidas de que "espera que seja aportado pelo governo do estado e município do Rio de Janeiro". Os dados, segundo a auditoria, "indicam a existência de incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto a capacidade da entidade em liquidar seus passivos".

Mas o documento também contraria o discurso que por anos foi adotado pelos organizadores, insistindo que não deveria haver dinheiro público no evento e que apenas obras externas ficariam com a prefeitura, estado ou governo federal.

No informe, porém, os dados revelam que "subsídios" dos três níveis de governo eram "essenciais para o equilíbrio orçamentário da entidade (Comitê Rio 2016) e principalmente para garantir a inexistência de déficit, haja visto que desde a candidatura já se estimava que as receitas próprias do Rio 2016 não seriam suficientes para suportar todas as despesas necessárias para a organização dos Jogos".

Para explicar o buraco, porém, os organizadores culpam os governos. Segundo o informe, em 10 de fevereiro de 2015, foi assinado entre o Rio-2016 e a prefeitura um acordo que estabelecia a "obrigação de adquirir bens e serviços de infraestrutura necessários para o funcionamento do IBC, em contrapartida a transferência para a prefeitura de parte dos custos com energia temporária, em igual valor".

"Contudo, em 2016, a prefeitura não assumiu a parte do custo de energia temporária, que acabou sendo suportado em parte pela União. Assim, dado que o Comitê Rio 2016 arcou com as despesas de infraestrutura do IBC e parte da energia temporária sem nenhuma contrapartida do município, o orçamento da entidade foi onerado em cerca de R$ 200 milhões", explicou.

Durante o ano de 2016, o governo federal ainda ficaria com os custos de energia e o governo do estado do Rio, com os serviços de água e esgoto. Por sua parte, a Prefeitura do Rio arcaria com a limpeza, construções de algumas estruturas temporárias, fornecimento de combustível para geradores, mobiliário e computadores.

Receita

Mas nem isso foi suficiente para fechar as contas. "No primeiro semestre do ano passado, diversos fatores externos começaram a impactar diretamente na venda de ingressos, acomodações, hospitalidade, patrocínios entre outras fontes de receitas do comitê", apontam os documentos. "Os principais fatores que afetaram a receita foram: crise econômica do país, instabilidade política e surto de zika. Ademais, havia uma baixa procura de ingressos paralímpicos e patrocínios", indicam.

O resultado foi a decisão dos organizadores de "reduzir as atividades dos Paralímpicos de maneira significativa". Essa medida foi comunicada aos governos, assim como a previsão de déficit e necessidades de recursos.

Mas, de acordo com o balanço, o presidente Michel Temer se recusou a reduzir a dimensão do evento e, em um comunicado interno de 15 de julho de 2016, o governo garantiria R$ 250 milhões para o evento. Os recursos seriam divididos entre os diferentes níveis de administração.

Segundo o informe, porém, o problema é que essa promessa não foi cumprida. Dos R$ 150 milhões que viriam da prefeitura, foram enviados apenas R$ 30 milhões. Uma parcela do que viria do governo federal em forma de patrocínio também não foi desembolsado e, no total, os entes públicos teriam uma dívida que chegaria a mais de R$ 170 milhões.

"Dado que os compromissos da prefeitura e da União não foram totalmente executados, no ano de 2016, a entidade apresentou déficit acumulado de R$ 132 milhões que, segundo o Rio-2016, deverá ser resolvido assim que a prefeitura e o governo federal honrem com os compromissos assumidos", alerta o balanço, que ainda lembra que esses compromissos do estado brasileiro também foram assumidos com o COI.

Salários

Se o evento terminou no vermelho, os dados revelam que os oito diretores executivos do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos tiveram sucessivos aumentos de pagamentos que totalizam R$ 33,2 milhões entre 2011 e 2016. Os valores incluem salários e gastos.

O grupo inclui oito executivos que, no fundo, foram os responsáveis por organizar o evento milionário. Apesar da "transparência", os valores não incluem pagamentos eventuais ao presidente do Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman. Oficialmente, ele insiste que não recebe nada.

À medida que o evento se aproximava, o valor do pagamento aumentava. Em 2011, foram R$ 2,7 milhões pagos aos oito executivos. No ano seguinte, o valor passou para R$ 3,1 milhões. Em 2013, já era de R$ 5 milhões, contra R$ 7,3 milhões em 2014 e R$ 8,3 milhões em 2015. Os valores de 2016 chegaram a R$ 6,4 milhões.

Em gastos de viagens, o Rio-2016 ainda destinou R$ 24 milhões por ano, entre 2014 e 2015. Os dados também fazem parte dos balanços financeiros. Em 2016, esse gasto foi de mais R$ 22 milhões. O Rio-2016 ainda gastou R$ 7,7 milhões com honorários de advogados e R$ 2,9 milhões com serviços de lavanderia.